Propaganda

LIÇÃO 10 - A RENOVAÇÃO COTIDIANA DO HOMEM INTERIOR

LIÇÃO 10 - A RENOVAÇÃO COTIDIANA DO HOMEM INTERIOR

Texto Áureo: “Por isso não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.” (2 Co 4.16)

Leitura Bíblica em Classe: 2 Coríntios 4.11-18

Introdução: A renovação cotidiana do homem interior é essencial para nossa saúde e bem-estar. É um processo individualizado, que requer dedicação e esforço pessoal, mas beneficial para todas as áreas da nossa vida. Portanto, é fundamental que priorizemos a renovação interior em nossa rotina diária, a fim de nos tornarmos pessoas mais felizes, equilibradas, realizadas e fortalecidas espiritualmente. A vida interior deve triunfar sobre as aflições da vida exterior a cada dia e isso é algo muito significativo para a vida do cristão. Poucos homens foram mais cônscios de sua fraqueza do que o apóstolo Paulo. Ele poderia ser exemplificado como um vaso de barro que se tornara muito trincado e arranhado, por todos os sofrimentos em sua jornada missionária, mas o seu depósito permanecia intacto. 

1. RENOVAÇÃO É UM PROCESSO CONTÍNUO E EXIGE ESFORÇO E DEDICAÇÃO.

2 Coríntios 4.11 - E assim nós, que vivemos, estamos sempre entregues  à morte por amor de Jesus, para que a vida de Jesus se manifeste também em nossa carne mortal. 2 Coríntios 4.12 - De maneira que em nós opera a morte, mas em vós, a vida.

A vida cristã é marcada pela constante entrega à morte por amor de Jesus. Essa morte não é um fim em si, mas um meio para que a vida de Jesus se manifeste por meio de nós. É um processo desafiador que exige renúncia e abertura a vontade de Deus, mas que, ao mesmo tempo, nos conduz a uma vida plena e significativa em comunhão com o Senhor. Ao decidir seguir Jesus e viver uma vida de fé, é preciso estar disposto a renunciar a si, a morrer para o egoísmo e para as coisas mundanas. Esse caminho de renúncia é simbolizado pela cruz de Cristo, na qual Ele entregou sua vida por amor à humanidade. Essa entrega à morte pode ser entendida como uma renúncia não apenas de nossos próprios interesses, mas também de nossas vontades e ambições. Trata-se de uma disposição de prescindir do controle sobre nossas vidas e permitir que a vontade de Deus se realize por nós. Todo esse processo deve ser contínuo, o qual exige um esforço constante.  

2. RENOVAÇÃO ENVOLVE TRABALHAR EM NOSSAS FRAQUEZAS

2 Coríntios 4.13 - E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri; por isso, falei. Nós cremos também; por isso, também falamos, 2 Coríntios 4.14 - sabendo que o que ressuscitou o Senhor Jesus nos ressuscitará também por Jesus e nos apresentará convosco.

Nenhum sofrimento pode derrotar um cristão sustentado pela fé em Cristo, pois a nossa convicção faz parte de um processo que tem por resultado a vida eterna. Temos que confiar firmemente nisso, pois plantando o evangelho encontraremos muitos obstáculos, postos pelo inimigo, mas que pela fé transpomos todos eles.  O que fazemos para Deus nessa vida passageira e transitória, jamais vai se perder, por ser o próprio Senhor que garante isso. I Co 15.58 Portanto, meus amados irmãos, sede firmes e constantes, sempre abundantes na obra do Senhor, sabendo que o vosso trabalho não é vão no Senhor. Os sofrimentos podem matar o corpo, mas não podem matar o espírito que é eterno. A ressurreição que Paulo expressa aqui, não é a da conversão, quando o nosso espírito mortificado, foi ressuscitado pelo mesmo poder que ressuscitou a Cristo. Aqui ele fala da ressurreição na segunda vinda de Cristo. O estado ressurreto incluirá tanto a transformação dos que estiverem vivos, como a ressurreição daqueles que já estiverem então mortos em qualquer tempo. É bom nós que ainda estamos vivos não perder a esperança de ser pessoalmente transformado, quando na vinda de Cr5isto, e assim escapar da morte física.    

3. RENOVAÇÃO NÃO É EXTERIORIZADA E SIM INTERIORIZADA A CADA DIA.

2 Coríntios 4.15 - Porque tudo isso é por amor  de vós, para que a graça, multiplicada por meio de muitos, torne abundante a ação de graças, para glória de Deus. 2 Coríntios 4.16 - Por isso, não desfalecemos; mas, ainda que o nosso homem exterior se corrompa, o interior, contudo, se renova de dia em dia.

Com a decadência diária do homem exterior, ocorria a renovação do invisível e espiritual. Paulo disse que quando estava fraco é que estava forte, pois na proporção em que se assume os sofrimentos e a morte de Cristo é que começamos a perceber como Ele é um toda sua plenitude, bem como Ele pode ser ou fazer por meio de nós. Se tivermos uma fé fortalecida em Cristo, não desmaiamos, não perdemos a coragem e nem ficamos desencorajados, porque essa fé nutre a esperança que temos na vitória sobre a morte e os sofrimentos. O nosso homem exterior a cada dia vai se deteriorando, caminhando em direção da morte, mas o interior, em contraste com o exterior, vai se renovando a cada dia. Pregar o evangelho envolva renúncia de muitas coisas, pois a nossa prioridade é o reino dos céus. Temos em nossa jornada problemas, dificuldades, sofrimentos, mas suportados por amor a Cristo e, em recompensa, Ele nos renova dia após dia, para irmos vencendo cada etapa que nos é atribuída.

4. RENOVAÇÃO NÃO VEM POR VISÃO EXTERIOR E SIM PELA INTERIOR. 

2 Coríntios 4.17 - Porque a nossa leve e momentânea tribulação produz para nós um peso eterno de glória mui excelente, 2 Coríntios 4.18 - não atentando nós nas coisas  que se veem, mas nas que se não veem; porque as que se veem são temporais, e as que se não veem  são  eternas.

A aflição é leve, como também momentânea, mas a glória do futuro está carregada de radiosa bênção e plena de satisfação. A parte corruptível é transitória, mas a parte espiritual é eterna. Uma é o preço da outra, embora ambas sejam dádivas de Deus. Muitos, principalmente o pecador, tem o horror da morte, a qual chegará a todos os homens, mas para o cristão fiel aos preceitos divinos, é uma realidade que é motivo de alegria, pois a morte física nos libera para uma vida superior, que envolve a eternidade com o Salvador. Quem vive para o presente se esquece que todos são um espírito e eterno, seja cristão, ou não cristão. Não se pode negar a maior verdade de todas, que é a da imortalidade e que temos dois destinos únicos, o qual é o céu, ou o inferno. Os olhos da fé vão além dos nossos sentidos naturais; e a fé é igualmente por essa razão o que olha para o invisível, mas que se tornarão visíveis quando a nossa jornada da fé nesta terra tiver terminada.

 

Pastor Adilson Guilhermel. th.M

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale com o Pastor