ANÚNCIOS AUTOMÁTICOS

Inscreva-se no meu canal

LIÇÃO 5 - DONS DE ELOCUÇÃO


DONS DE ELOCUÇÃO
Lição 5 - 2 de Maio de 2021 Texto Áureo: I Pedro 4.11 Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e poder para todo o sempre. Amém. Leitura Bíblica em Classe: I Coríntios 12.7,10-12; 14.26-32  

Introdução: A elocução é tudo que envolve a expressão de pensamentos por meio de palavras e no caso de dons de elocução envolve ações do Espírito em manifestações proféticas, variedades de línguas, interpretação de línguas e outras operações de ordem didática, como por exemplo, pregações com revelações proféticas da Palavra de Deus. Os dons de elocução estão sempre presentes em todos os cultos e são de grande importância para a Igreja, desde que sejam utilizados para a edificação do corpo de Cristo. Por serem dons sempre presentes na Igreja na parte didática, profética e oratória, convém sempre julgar a sua procedência visto que são dons que podem ser imitados por alguém que queira se destacar ou enganar com atuações prejudiciais a Igreja do Senhor Jesus. Quem tem discernimento espiritual e algum conhecimento da Palavra, dificilmente se deixará levar por estes, porém os que são leigos são facilmente enganados por aqueles que teatralizam esses dons e evidentemente para si próprios.
1 - OS DONS DE ELOCUÇÃO EXIGEM VOCAÇÃO E CONHECIMENTO DA PALAVRA - I Coríntios 12.7 Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil.
Deus destina os dons espirituais com propósitos que envolvem especificamente a continuidade da Sua obra que está na responsabilidade da igreja corpo. Devemos entender que o propósito essencial dos dons espirituais é para que a igreja corpo receba uma diversidade de benefícios provindos deles. Se o Espírito Santo nos outorga algum dom espiritual é para sermos usados somente naquilo que é útil à igreja. São pelos dons de elocução que o Espírito Santo abre os seus tesouros a fim de revelar-nos coisas que, de outra forma, estariam ocultas e além do nosso alcance.
2 - OS DONS DE ELOCUÇÃO TÊM PROFECIA, PORÉM NÃO NA BOCA DE LEIGOS - I Coríntios 12.10 E a outro a operação de maravilhas; e a outro a profecia; e a outro o dom de discernir os espíritos; e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas.
A profecia é um dom importante que serve para desvendar a vontade secreta de Deus, de modo que o profeta é, por assim dizer, o mensageiro entre Deus e o homem. A profecia vinda pela revelação da palavra é inconfundível sendo entregue somente aos verdadeiros homens e mulheres de Deus. Como há muita ignorância a respeito desse dom e como ocorrem muitos abusos principalmente na questão desse dom é preciso ter um bom entendimento a respeito, para sabermos distinguir o que é verdadeiro, e o que não é. A profecia vinda pelo Espírito não confunde, pois ela deve vir pela revelação da palavra.
3 - OS DONS DE ELOCUÇÃO SÃO DADOS AOS QUE TEM CHAMADA E PREPARAÇÃO - I Coríntios 12.11 Mas um só e o mesmo Espírito opera todas estas coisas, repartindo particularmente a cada um como quer.
A manifestação dos dons é algo que só pode existir quando todos sob a direção do mesmo Espírito trabalham juntos de comum acordo. O Espírito Santo, portanto, distribui esses dons, a fim de concentrarmos toda nossa contribuição visando o bem comum. Ele não irá distribuir o dom para uma só pessoa, para que ela não se ensoberbeça se isolando, e vivendo os dons só para si mesmo. Se alguém receber o dom e se desviar do curso a qual lhe foi proposto, certamente ficará desprovido da unção espiritual outorgada pelo Espírito e tudo que fizer não terá mais qualquer sentido.
4 - OS DONS DE ELOCUÇÃO ENVOLVEM OFÍCIOS ESPECÍFICOS A TODO O CORPO - I Coríntios 12.12 Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.
Cada pessoa ao receber um dom espiritual deve se sentir feliz e satisfeito com aquilo a qual recebeu, para que não brote o desejo de invadir o território de outrem, seja por qualquer motivo egoístico que leva muitas pessoas a se apropriarem mais do que lhe cabe. Os crentes devem estar unidos pela associação dos seus dons para benefício recíproco; porquanto seus dons foram outorgados pelo Espírito Santo, para que cada um não venha nutrir-se a si próprio, e sim para terem empenhos em auxiliar a outrem. É preciso lembrar que nos constituímos num corpo espiritual e místico de Cristo.
5 - OS DONS DE ELOCUÇÃO NA VARIEDADE DE LÍNGUAS SÃO PARA EDIFICAÇÃO - I Coríntios 14.26 Que fareis pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação.
Cada dom espiritual deve necessariamente desfrutar do seu espaço, na sua devida proporção. As práticas inúteis e fúteis não trás qualquer benefício para a Igreja. A igreja que se entrega a essas práticas inúteis e fúteis certamente não será vista como uma Igreja alicerçada na Palavra de Deus. Tudo que se faz através dos dons de elocução nas suas extensões deve visar sempre à edificação da Igreja. Todo aquele que recebe algum dom deve esforçar-se por empregá-lo visando o bem de todos. Quem recebe os dons espirituais deve encará-los com uma grande responsabilidade e um grande privilégio dado por Deus. O dom só será real caso o Espírito Santo estiver operando em cada um deles.
6 - OS DONS DE ELOCUÇÃO EM LÍNGUAS PROFÉTICAS DEVEM TER UM INTÉRPRETE - I Coríntios 14.27 E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete.
Em relação às línguas é preciso dar espaços a elas, desde que haja concomitante interpretação, para que a sua manifestação não fique no obscuro. Se alguém levanta a voz na Igreja transparecendo ser uma mensagem profética, porém em línguas estranhas, qual será o efeito disso em termos de edificação da Igreja; é possível afirmar que não haverá qualquer benefício caso não haja intérprete. Essas manifestações costumam acontecer em alguns cultos e por não haver intérprete a ação fica sem entendimento algum e os ouvintes acabam ficando confusos. Isso acontece na realidade por falta de instrução doutrinária a respeito dos dons espirituais. Nesse caso o culpado maior dessas coisas é o líder que não instrui, ou não sabe instruir a Igreja que dirige.
7 - OS DONS DE ELOCUÇÃO DE LÍNGUAS ESTRANHAS DEVEM TER ORDEM E DECÊNCIA - I Coríntios 14.28 Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus.
Nesse caso não havendo intérprete a pessoa deve ter a consciência de permanecer calada na Igreja. Caso nenhum intérprete se apresente, o silêncio é a melhor medida. Toda profecia deve ser avaliada para determinar se o portador de fato está transmitindo a palavra por meio do Espírito Santo. É possível ter pessoas influenciadas pelas suas próprias emoções, imaginar que Deus fala por seu intermédio. É preciso entender que satanás pode falsificar uma mensagem profética. Sob a direção do Espírito Santo não pode haver competição nem contradição nas mensagens. 
8 - OS DONS DE ELOCUÇÃO NAS PROFECIAS DEVEM SER JULGADOS SE É DO ESPÍRITO - I Coríntios 14.29 E falem dois ou três profetas, e os outros julguem.
Se alguém com o dom de profecia tiver uma revelação no transcorrer do culto, precisamente durante a ministração da palavra que por conseguinte é uma profecia inquestionável, este deve se conter até que tenha uma oportunidade para isso. A ministração da Palavra não pode ser interrompida por quem quer que seja. Caso isso aconteça o interruptor deve ser convidado a se calar, pois uma profecia que venha interromper a palavra, certamente não é de Deus. A palavra alerta sobre estas situações místicas: (Amados, não creiais a todo o espírito, mas provai se os espíritos são de Deus, porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo. 1 João 4:1). O Senhor também adverte quanto a usar o seu nome sem estar credenciado para isso: (Eis que eu sou contra os profetas, diz o Senhor, que usam de sua própria linguagem, e dizem: Ele disse. Jeremias 23:31).
9 - OS DONS DE ELOCUÇÃO NAS MANIFESTAÇÕES PROFÉTICAS DEVE SER ENTENDÍVEL - I Coríntios 14.30 Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro.
Quando alguém recebe uma revelação deve esperar a ocasião oportuna para entregá-la, pois sempre haverá a oportunidade e liberdade de falar. A única condição é que ninguém se precipite, satisfazendo mais a seu amor-próprio do que atendendo a o propósito da revelação. O Espírito usa alguém nos dons como Ele quer usar e isso não permite a quem quer que seja o descontrole daquilo que deve ser feito na sua direção. As pessoas devem voluntariamente permitir o total controle do Espírito para que não se promovam desordem e confusão no andamento do culto.
10 - OS DONS DE ELOCUÇÃO DE PROFETIZAR DEVEM SER PARA O CONSOLO DO POVO - I Coríntios 14.31 Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados.
Nem todos os crentes são dotados com esse dom, pois o Espírito confere de acordo com a vocação de cada um e dentro da sua possibilidade, para o benefício do povo. Quem não tem o dom jamais pode estar invejando os que têm, antes devem se alegrar por terem irmãos usados por Deus em dons espirituais. Esse ciúme ou inveja é retratado quando Josué inflamou-se com tolo ciúme, sentindo-se profundamente indignado só porque alguns homens estavam profetizando no meio do povo. Moisés o censurou dizendo: (Tens tu ciúmes por mim! Tomara que todo o povo do Senhor fosse profeta, que o Senhor lhes desse seu Espírito. Nm 11.28,29).
11 - OS DONS DE ELOCUÇÃO DEVEM ESTAR SOB O CONTROLE DO ORADOR NA PROFECIA - I Coríntios 14.32 E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas.
Se alguém for agraciado com uma revelação completa, é certo que tal pessoa, juntamente com o seu dom, está acima de qualquer suspeita. Não existe sujeição onde está presente uma plenitude de revelação; visto, porém, que Deus tem distribuído do Seu Espírito sem medida. A sujeição aqui envolve o espírito do profeta, e não por o Espírito Santo em sujeição ao profeta, isso seria impossível, e se alguém entende dessa maneira é bom rever os seus conceitos. Toda manifestação se identificada como vinda do Espírito, não haverá espaço para qualquer hesitação, pois o profeta não pode se retrair ou omitir de falar aquilo que lhe é revelado pelo Espírito.

Pastor Adilson Guilhermel


CORRESPONDENTE