Translate

ESTEJA JUNTO COMIGO NESTA OBRA.

É importante apoiarmos iniciativas que contribuem para a propagação da Palavra de Deus. Esta obra, em particular, tem sido muito importante, pois visa dar subsídios da Lição Bíblica para a Escola Biblica Dominical. Sinto-me feliz em poder fazer a minha parte para ajudar esta obra a alcançar seus objetivos. Faça parte desta obra e ajude a espalhar a Palavra de Deus! Caso queira contribuir com uma oferta use PIX Cel. 997518304 . It is important that we support initiatives that contribute to the spread of the Word of God. This work, in particular, has been very important, as it aims to provide information on the Bible Lesson for the Sunday School. I feel happy to be able to do my part to help this work achieve its goals. Be part of this work and help spread the Word of God! If you want to contribute to an offer, use PIX Cel. 997518304 . https://www.paypal.com/donate/?hosted_button_id=NNAE7UM5Y5MDN

Contributions to this missionary work

Lição 10 - A Sutileza Contra a Prática da Mordomia Cristã

Lição 10: A SUTILEZA CONTRA A PRÁTICA DA MORDOMIA CRISTà

Texto Áureo: “E [Abrão] deu-lhe o dízimo de tudo.” (Gn 14.20)

Leitura Bíblica em Classe: Gênesis 14.17-20

Introdução: Todo cristão é, e deve ser um mordomo de Deus, como administradores dos seus bens aqui na terra. O mordomo de Deus deve ser caracterizado como uma pessoa fiel que desempenha o que lhe é confiado de maneira tal que esteja de agrado do seu Senhor. O primeiro mordomo foi Adão, com a incumbência de cuidar do jardim e dar nomes aos animais. Porém, Adão falhou na sua administração sendo destituído do seu ofício. Noé foi um mordomo de Deus para construir uma arca segundo as medidas que o Senhor determinou e, fez tudo como lhe foi instruído. Há vários exemplos de mordomia nas escrituras do Antigo Testamento, como também em o Novo Testamento, tal como o próprio Cristo e, os apóstolos onde o que mais se destacou foi o apóstolo Paulo. Como representantes de Deus devemos refletir a sua glória neste mundo; como servos a quem Ele concedeu a gestão de bens e recursos. Dentre tantas coisas que estão no contexto de mordomia está algo que muitos embatem controvérsias, o qual é o dízimo. Quantas controvérsias, críticas destrutivas, ignorância, zombaria, chocarrices e outras coisas mais a respeito do dízimo. Um dos pontos que mais se pegam é que o dízimo foi uma obrigação do tempo da lei e que agora estamos na graça e que nesta dispensação o dízimo foi abolido e dessa forma o cristão não precisa mais dar o dízimo. Toda essa polêmica poderia ter menos repercussão na mídia, se muitos líderes evangélicos não cometessem os vários abusos e escândalos que vêm acontecendo nos dias de hoje. Em algumas igrejas se impõem o sistema legalista sobre os fiéis, o que é errado, em outras exigem um percentual acima do que ensina a palavra, e isso é exploração, outras fazem mal uso do que é arrecadado, para usar em seus próprios deleites e muito mais coisas, que se espalham rapidamente pelos vários meios de comunicação, prejudicando com isso a propagação do Evangelho e a imagem da Igreja.

Os ignorantes que se acham entendidos e colocam o dízimo só no sistema legalista (ou seja na lei de Moisés), esquecem de examinar a palavra em vários contextos, como Jesus disse: “Toda Escritura é Inspirada”., e examinando a passagem bíblica de Gênesis 14.20 em que Abraão dá o dízimo a Melquisedeque, rei de Salém, o que podemos entender sobre este episódio.

1. HÁ OS QUE VISAM BENS MATERIAIS E OS QUE VISAM BENS ESPIRITUAIS

Gênesis 14.17- E o rei de Sodoma saiu-lhes ao encontro (depois que voltou de ferir a Quedorlaomer e aos reis que estavam com ele) no vale de Savé, que é o vale do Rei.

Ló e sua família entre outros de Sodoma com todos os bens foram levados cativos pelos quatro reis amorreus. Abraão quando soube reuniu trezentos e dezoito empregados e armados foram ao encontro deles impondo derrota a esses reis com todos os seus soldados. Os despojos de guerra sempre ficam com o que vence a batalha, como foi o caso de Abraão. Nesse retorno dois reis foram ao seu encontro, ou seja, o rei Bera de Sodoma e o rei de Salém Melquisedeque. Bera ofereceu a Abraão todos os despojos de guerra em troca da libertação das pessoas que foram levadas cativas e, Melquisedeque deu-lhe pão e vinho. Fatos que precisamos compreender: Tudo que contém o A.T. e é confirmado em o N.T. deve ser praticado pela Igreja (veja Hebreus 7.1-2). Outra situação é que Abraão não viveu no tempo da lei e sim num tipo de graça não explícita, mas, que apontava para a graça revelada do Nosso Senhor Jesus Cristo. Com relação a Melquisedeque, esse personagem representa um tipo de Cristo que apontava para o antítipo que é a revelação do tipo, o qual é Cristo. Abraão que havia lutado com os seus 318 criados, contra os quatro reis amorreus, para libertar o sobrinho Ló e família e recuperar todos os seus pertences, ficou com os despojos dessa vitória e em forma de gratidão a Deus, ele deu a Melquisedeque, tipo de Cristo o dízimo de tudo o que conquistou, pois, sem a ajuda divina Abraão não conseguiria derrotar esses reis. Observem que antes de Abraão dar o dízimo a Melquisedeque, este, lhe ofereceu pão e vinho; isso tem um significado: o pão simbolizava o corpo de Cristo que seria partido por nós e o vinho simbolizava o sangue de Cristo que seria derramado para expiação dos nossos pecados, logo, entendemos que esse fato apontava para a obra redentora de Cristo e para a Sua Igreja que seria o testemunho do Deus vivo, a qual teria a responsabilidade de levar o evangelho para todos os povos da terra. Toda essa missão que envolve a igreja em fazer a obra de Deus tem muitos custos que nem preciso enumerar e pergunta-se; que tem a responsabilidade de pagar esses custos; é o pastor ou é todo o corpo de Cristo, e quais são os recursos que o Senhor estabeleceu para cobrir tudo isso; é evidente que recursos devem vir dos dízimos e ofertas, e fora disso é exploração da fé. Agora, se alguém não tem fé para dar o dízimo, por falta de orientação, avareza, ignorância e outras coisas mais é melhor não dar, pois dessa maneira Deus não vai aceitar. Também o dízimo não pode ser imposto pelo líder de uma forma obrigatória ou constrangedora, pois, aí entraria no legalismo. Também não dê o dízimo só para manter-se num cargo da igreja, ou para agradar o pastor, ou para ter o nome no rol de dizimistas, isso não lhe trará bem algum. O dízimo é um ato de fé, amor, gratidão, reconhecimento ao Senhor e deve ser praticado com espontaneidade e alegria no coração para que seja aceito e o fiel tenha todo o retorno prometido por Ele.

2. TEMOS QUE VIVER PELAS BÊNÇÃOS DO SENHOR E NÃO POR SUBORNOS.

Gênesis 14.18 - E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e este era sacerdote do Deus Altíssimo.

Como a ótica de Abraão era espiritual e não material, ele rejeitou a oferta de Bera e aceitou a oferta de Melquisedeque, dando-lhe os dízimos dos despojos fazendo assim uma declaração de fé preferindo a melhor parte. Os dizimistas do A.T. que cumpriam fielmente as observâncias das leis cerimoniais, trazendo os seus dízimos e ofertas ao templo nas datas estipuladas eram ricamente abençoados. Aqui exemplifico quanto aos que tinham campos de cultivo ou de rebanhos na questão da fartura que Deus dava, tais como; ordenando a chuva, impedindo as pragas nos plantios, e no caso dos rebanhos, eram saudáveis sem pestes, doenças etc., e com isso eram prósperos. Quanto aos infiéis que deixavam de cumprir a lei não trazendo seus dízimos e ofertas, ou, trazendo os dízimos corrompidos e manipulados, a situação desses era inversa; em seus campos não chovia, as pragas como gafanhotos, locustas, pulgões atacavam furiosamente, e as pestes e doenças vinham sobre o rebanho, ficando estes com um prejuízo enorme por causa da infidelidade com Deus. Só ficava um pouco pela misericórdia de Deus para não morrer de fome. Assim também é com o crente fiel e o crente infiel. O fiel tem a plenitude das bênçãos divinas e é cheio de unção e o infiel é árido e vazio no espírito. Quando Deus fala; “para que não falte alimento na minha casa” está se referindo ao templo onde todos que ali serviam eram sustentados com os recursos dos dízimos e das ofertas. Mas, espiritualizando a frase “não faltar alimento na minha casa” pergunta-se: quem é a casa de Deus hoje? Somos nós a casa de Deus e se formos fiéis seremos abastecidos abundantemente com toda provisão espiritual e isso nos motivará para que a Igreja suprida com nossos dízimos e ofertas continue a sua caminhada nesta terra até a vinda do Nosso Senhor Jesus Cristo. 

3. DEIXAR DE CONTRIBUIR É UMA DEMONSTRAÇÃO DE PURA INGRATIDÃO.

Gênesis 14.19- E abençoou-o e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; Gênesis 14.20 - e bendito seja Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo.

Deus na sua presciência sabia que Abraão teria esse comportamento que lhe agradaria muito, isto mostra que indo para a guerra com apenas trezentos e dezoito criados sem preparo para guerrear com soldados, obtiveram êxito, porque a mão do Senhor era com eles. Quem fecha a mão para o Senhor, não pode esperar que Ele abra a sua. Com relação às dúvidas e debates de que o dízimo não consta no N.T., já demonstrei que consta conforme ilustrei em Hebreus 7.1-2; mas, vamos dar uma ampliada nessa questão para os críticos de plantão, que certamente tentarão no transcorrer da aula colocar o professor numa situação constrangedora.

Jesus veio numa época em que os Judeus viviam sob uma repressão muito violenta do governo romano o qual também cobrava do povo com todo rigor as suas taxas e impostos. Não bastasse isso, tinha também o poder religioso com a família do sacerdote Anás, e com a liderança de Caifás, que por sua vez tinham estreitas ligações políticas e comerciais com o governo de Roma. Essa casta sacerdotal era totalmente corrupta e isso ficou demonstrado quando Jesus entra no templo e expulsa todos os que ali faziam comércio. Nesse tempo a única cobrança que vigorava era os impostos para César e as ofertas e dízimos para o templo, fora isso se surgisse alguém falando de dízimos para outra finalidade certamente seria condenado à morte. Esse foi um dos motivos pelo qual Jesus não ensinou abertamente sobre o dízimo, se o fizesse eles teriam abreviado a sua morte e a sua missão teria sido fracassada. Já com o início da Igreja os apóstolos e principalmente o apóstolo Paulo que por sinal foi o que mais sofreu perseguições, imaginem o que seria feito com ele se viesse a falar de dízimo, ou fazer recolhimento nas congregações. E é esta a razão que o dízimo não foi exposto em o N.T. de uma maneira explícita, porque foi escrito por homens inspirados pelo Espírito Santo de uma maneira sábia e prudente, que é o que falta em muitos que não entendem acerca dessa disciplina abençoadora que é o dízimo.


Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fale com o Pastor

Os subsídios de lições bíblicas são uma ferramenta valiosa que pode ajudar os professores a preparar e ministrar aulas mais eficazes. Ao escolher o subsídio mais adequado e usá-lo de forma criativa, você poderá ajudar seus alunos a crescer na fé e no conhecimento da Bíblia. - Permita a exibição de anúncios no nosso site. Se você está usando um bloqueador de anúncios peço que desative, pois contamos com a publicidade para ajudar a financiar nosso site. Pastor Adilson Guilhermel

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

VISÃO MISSIONÁRIA


Faça sua busca aqui