Escola Dominical - Esboços da EBD

EBD Comentários - Lições Biblicas da CPAD

Pastor Adilson Guilhermel

 Home    Agenda     Lições EBD    Sermões    Contato
Lições Bíblicas 1° Trimestre 2018 CPAD - A Supremacia de Cristo

Lição 7 - Jesus - Sumo Sacerdote de Uma Ordem Superior

Classe adulto - 1º Lições Bíblicas: CPAD
Trimestre: 1° de 2018
– 18 de Fevereiro de 2018
Texto Áureo:
"Porque nos convinha tal sumo sacerdote, santo, inocente, imaculado, separado dos pecadores, efeito mais sublime do que os céus." (Hb 7. 26)
Leitura Bíblica em Classe:
Hebreus 7.1-19

Introdução: Melquisedeque foi um protótipo de um sacerdócio superior, o qual apontava para aquele que seria o Sumo Sacerdote eterno Jesus Cristo. Muito antes da lei, nos tempos contemporâneos ao do patriarca Abraão, esse personagem misterioso já exercia o seu ministério sacerdotal com o credenciamento do Deus Altíssimo. A dispensação patriarcal tinha uma similaridade prefigurando a dispensação da graça, na qual seria revelado o anti-tipo, que é o sumo sacerdote eterno Jesus, o qual é a revelação do tipo o sumo sacerdote Melquisedeque. Dada a relevância do sacerdócio de Melquisedeque, fica explícito ser ele mais importante que Abraão, Levi e os levitas. Assim Melquisedeque é visto como alguém de uma ordem sacerdotal mais antiga e mais elevada que a do sacerdócio levítico. Não é visto imperfeições ou deficiências no sacerdócio de Melquisedeque, ao contrário do sacerdócio levítico, que não era totalmente perfeito. A perfeição se tornou uma realidade quando Cristo após a sua missão terrena assentou-se a destra do Pai para exercer esse ofício em favor de toda a humanidade e não somente para os hebreus. O sacerdócio de Cristo é eterno e permanente e insubstituível, ao contrário do sacerdócio levítico que eram continuamente substituídos, por ser uma instituição sacerdotal transitória.
1. Melquisedeque foi um tipo de Cristo credenciado pelo Deus Altíssimo.

Hebreus 7.1 PORQUE este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, e que saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava da matança dos reis, e o abençoou; Hebreus 7.2 A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz; Hebreus 7.3 Sem pai, sem mãe, sem genealogia, não tendo princípio de dias nem fim de vida, mas sendo feito semelhante ao Filho de Deus, permanece sacerdote para sempre.

Um personagem misterioso se revela como tipo de Cristo e para que possamos compreender a grandeza desse sacerdócio precisamos divisar além desse Melquisedeque e contemplar a Cristo, pois se não for assim falharemos em nossas interpretações das escrituras, no que se refere a simbologia e tipologia. Credenciado como Sumo Sacerdote, ele tinha autoridade como instrumento divino para proferir bênçãos de Deus como sendo maior que Abraão, mostrando sua superioridade sobre ele. Assim Cristo que é o antítipo, ou seja, a revelação do tipo, também é maior que Abraão, maior que Levi, e toda a sucessão do sacerdócio levítico. Melquisedeque tinha um ministério legitimado pelo Deus Altíssimo, como Rei e Sacerdote, e Arão era somente sacerdote. Com Sacerdote do Deus Altíssimo significava um sacerdócio universal, ou seja, não somente dos judeus, mas também para todo o mundo, o qual divisava para além do sacerdócio levítico, pois apontava para Cristo que conquistou na Cruz o sacerdócio universal.

2. A grandeza do sacerdote  Melquisedeque foi reconhecida por Abraão.

Hebreus 7.4 Considerai, pois, quão grande era este, a quem até o patriarca Abraão deu os dízimos dos despojos. Hebreus 7.5 E os que dentre os filhos de Levi recebem o sacerdócio têm ordem, segundo a lei, de tomar o dízimo do povo, isto é, de seus irmãos, ainda que tenham saído dos lombos de Abraão.

Abraão reconhecendo o sacerdócio de Melquisedeque fez algo inesperado por todos os que circundavam esse encontro, que foi dar o dízimo dos despojos da guerra contra os reis amorreus, do qual saiu vitorioso com os seus trezentos e dezoitos homens. Essa atitude de Abraão aconteceu muito antes do dízimo ser estabelecido quando na promulgação da lei mosaica. Portanto o dízimo foi entregue na dispensação patriarcal que era similar a dispensação da graça na nova aliança. Ao receber do dízimo de Abraão, Melquisedeque serviu ao patriarca, pão e vinho, o que simbolizava o corpo e o sangue de Cristo na sua obra redentora na cruz do Calvário. Assim como o dízimo foi instituído na dispensação da lei, para sustento da obra tanto no tabernáculo, como no templo, também através desse episódio fica claro que ao se extinguir a obra da lei mosaica haveria o inicio de outra obra, a obra de Cristo, e que ela também seria sustentada por dízimos. Isso vem contraditar os que são contrários ao dízimo no Novo Testamento, ficando esses classificados como pessoas sem noção, ignorantes e avarentas.  

3. Melquisedeque abençoou a Abraão o qual tinha as promessas divinas.

Hebreus 7.6 Mas aquele, cuja genealogia não é contada entre eles, tomou dízimos de Abraão, e abençoou o que tinha as promessas. Hebreus 7.7 Ora, sem contradição alguma, o menor é abençoado pelo maior. Hebreus 7.8 E aqui certamente tomam dízimos homens que morrem; ali, porém, aquele de quem se testifica que vive. Hebreus 7.9 E, por assim dizer, por meio de Abraão, até Levi, que recebe dízimos, pagou dízimos. Hebreus 7.10 Porque ainda ele estava nos lombos de seu pai quando Melquisedeque lhe saiu ao encontro.

Só pelo fato de ser credenciado como rei e sacerdote, Melquisedeque foi indiscutivelmente superior a ordem sacerdotal levítica, pois a sua ordem sacerdotal era divina e celestial, porque ele apontava para Cristo que viria ser o Sumo Sacerdote eterno da nova aliança. Abraão tinha autoridade divina para abençoar as pessoas, mas como Melquisedeque estava numa condição de superioridade, Abraão não poderia abençoar Melquisedeque e sim ser abençoado por ele. As coisas tem que ser dessa maneira, porque o menor não pode abençoar o maior, e sim o maior é que abençoa o menor. Quando se diz que até Levi pagou dízimos, significa que como Abraão pagou dízimos a Melquisedeque, indica que todo Israel, incluindo Levi deveriam reconhecer a superioridade desse sacerdócio. Diante disso deve-se entender que é errado quando se entrega o dízimo ou oferta dizendo que está abençoando a Cristo, ou a sua obra, pois como menores, não temos autoridade para abençoar o maior. Assim quando entregamos o dízimo, ou ofertamos, não estamos em hipótese alguma abençoando, e sim exercendo um ato de fé em prol da obra do Senhor, relacionado ao nosso crescimento espiritual. Quando assim agimos com toda liberalidade conscienciosa exigida ganhamos a condição de sermos abençoados pelo maior, que é Jesus. O súdito não abençoa o Rei, pois é o Rei que abençoa o súdito, o filho não abençoa o Pai, pois é o Pai que abençoa o Filho, a igreja não abençoa o Pastor, pois é o Pastor que abençoa a igreja.

4. O sacerdócio levítico foi inferior, o de Melquisedeque visava o superior.

Hebreus 7.11 De sorte que, se a perfeição fosse pelo sacerdócio levítico ( porque sob ele o povo recebeu a lei ), que necessidade havia logo de que outro sacerdote se levantasse, segundo a ordem de Melquisedeque, e não fosse chamado segundo a ordem de Arão? Hebreus 7.12 Porque, mudando-se o sacerdócio, necessariamente se faz também mudança da lei.

O encontro de Melquisedeque com Abraão ocorreu séculos antes da instituição da lei mosaica, a qual estabeleceu o sacerdócio levítico. O sacerdócio levítico era transitório, com o objetivo de conduzir o povo obedecendo aos rituais das obrigações da lei cerimonial promulgada por Moisés, através de uma revelação divina. Era através do cumprimento dos cerimoniais levíticos que o povo cumprindo-os de acordo com as suas exigências alcançava um nível espiritual para mantê-los na condição de salvo, condição essa que atingiria a sua efetividade quando a obra da remissão se consumasse na Cruz. Assim entendemos que se o sacerdócio levítico fosse eficaz para levar às pessoas a perfeição, não seria necessária a implantação de uma ordem sacerdotal superior. Assim, o sacerdócio de Cristo extinguiu o sacerdócio levítico, como também as leis cerimoniais promulgadas por Moisés. Qualquer entidade organização religiosa que teima em permanecer sob a lei não pode ser de Cristo, pois só Ele pode cumprir toda a lei na sua plenitude, e só ele pode ser o nosso sacerdote eterno.

5. Melquisedeque prefigurava uma ordem sacerdotal superior a araônica.

Hebreus 7.13 Porque aquele de quem estas coisas se dizem pertence a outra tribo, da qual ninguém serviu ao altar, Hebreus 7.14 Visto ser manifesto que nosso Senhor procedeu de Judá, e concernente a essa tribo nunca Moisés falou de sacerdócio.

De acordo com a lei mosaica somente a tribo de Levi poderia exercer esse ofício sacerdotal, tanto que outros que ousaram tomar o lugar do sacerdócio araônico foram mortos. Assim a figura de Melquisedeque como tipo de Cristo e rei e sacerdote em Jerusalém, cidade destinada a tribo de Judá, já prefigurava que a casta sacerdotal seria transferida para alguém dessa tribo, o qual no caso é o Senhor Jesus Cristo, que por descendência física pertencia a essa tribo. As Escrituras já revelavam no Antigo Testamento que um sacerdote de outra tribo estava por vir, já indicando que a antiga aliança estava por ser substituída.

6. Jesus Cristo o anti-tipo de Melquisedeque tornou-se sacerdote eterno.

Hebreus 7.15 E muito mais manifesto é ainda, se à semelhança de Melquisedeque se levantar outro sacerdote, Hebreus 7.16 Que não foi feito segundo a lei do mandamento carnal, mas segundo a virtude da vida incorruptível. Hebreus 7.17 Porque dele assim se testifica: Tu és sacerdote eternamente, Segundo a ordem de Melquisedeque.

O sacerdócio levítico com o tempo acabou se tornando corruptível, mesmo porque, a lei que regulava o sacerdócio acabou sendo descumprida em vários pontos, pois era um mandamento carnal. Já o sacerdócio de Cristo não é provisório, mas eterno e totalmente incorruptível. Cristo está a destra do Pai exercendo esse ofício, onde a principal função é reconciliar o pecador que se arrepende com o Deus Pai. Jesus sempre exercerá esse ofício, embora quando iniciar o processo da sua vinda, primeiramente para buscar a sua igreja, ele não estará mais com vestes sacerdotais e sim com vestes talares, para exercer o juízo sobre o mundo no período da grande tribulação.

7. A obra substitutiva de Cristo tornou a lei mosaica totalmente inválida.

Hebreus 7.18 Porque o precedente mandamento é ab-rogado por causa da sua fraqueza e inutilidade Hebreus 7.19 (Pois a lei nenhuma coisa aperfeiçoou ) e desta sorte é introduzida uma melhor esperança, pela qual chegamos a Deus.

Hoje alguns que tentam impor os seus dogmas com similaridade a lei mosaica está em completa transgressão a palavra de Deus. São pessoas que embora façam tudo com o maior zelo, na realidade estão fazendo sacrifício de tolos, pois de maneira alguma entrarão pelos portais celestiais, por causa das suas ignorâncias. A lei pela sua fraqueza chegando ao ponto da inutilidade, não poderia continuar para sempre, uma vez que Jesus Cristo foi ordenado pelo Deus Pai para um sacerdócio superior e eterno, sendo que jamais poderia ser substituído. Jesus Cristo fez o que a lei jamais poderia ter feito, pois o que Ele fez sendo o próprio sacrifício e o próprio sacerdote que oficializou o seu próprio sacrifício, ninguém poderia fazer.  

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel

 
ASSEMBLÉIA DE DEUS - Ministério Redenção -  Rua Frei Gaspar n° 3255 - Cidade Náutica  São Vicente - São Paulo
 Cultos: quarta, sexta e domingo a partir das 19h30. - Escola Dominical às 9h30
Seja Bem-vindo.
Caso sinta de enviar uma oferta para essa obra deposite nessa conta: Caixa Econômica Federal - Agência 1613 - Conta 0942-7 
Contato com o Pastor  Adilson