Home   Agenda   Escola Dominical   Estudos Bíblicos   Contato
Escola Dominical - Esboços da EBD

Lições do 1º Trimestre de 2014 - CPAD - Jovens e Adultos
  
 
UMA JORNADA DE FÉ
A formação do povo de Israel e sua herança espiritual

 

A PEREGRINAÇÃO DE ISRAEL NO DESERTO ATÉ O SINAI

Lição 6 - 9  fevereiro de 2014

Texto Áureo: I Coríntios 10.11 Ora, tudo isso lhes sobreveio com figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.

Leitura Bíblica em Classe: Êxodo 19.1-6; Números 11.1-3

 

IGREJA, NÃO CAIA NO MESMO EXEMPLO DA DESOBEDIÊNCIA DE ISRAEL

 

Introdução: O propósito de Deus quanto ao desenvolvimento do nosso caráter tem sido muito mal interpretado pelos propagadores do evangelho fácil, e com isso, levando muitos a estarem fora dos preceitos estabelecidos por Ele. Deus nunca prometeu uma caminhada de facilidades e sem dificuldades, muito pelo contrário, Ele disse que passaríamos por vários tipos de dificuldades, mas que poderíamos contar com a sua presença para transpô-las. As provações do caminho é um quadro característico do povo de Deus em todas as eras. O que não podemos é estar despreparados para aceitar o caminho do deserto e das águas amargas. É pelo caminho difícil que Deus nos ensina a dependermos totalmente dele e quem fogem dessa dependência jamais chegará ao destino que Ele nos propõe. Na carta aos romanos, Paulo diz que devemos nos gloriar nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança. Como poderíamos adquirir todas essas qualificações se não passássemos por tribulações. Deus não iria dar para Israel uma terra que manava leite e mel com facilidade; não era só entrar na terra e tomar posse, eles teriam que conquistar o seu lugar na terra prometida. Assim também a Igreja tem que conquistar o seu lugar no céu e essa conquista não é com facilidade, pois assim como Deus fez testes de fidelidade com Israel, também o faz com a Igreja. Eles foram reprovados no teste, e nós, será que estamos sendo aprovados.

1. AS EXPERIÊNCIAS DE ISRAEL NO DESERTO DO SINAI COM LIÇÕES PARA A IGREJA

1. É no deserto da provação que Deus nos leva para atingirmos a maturidade - Êxodo 19.1 AO terceiro mês da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no mesmo dia chegaram ao deserto de Sinai,

Se a liberdade proporcionada pela salvação que nos foi outorgada não levar-nos a maturidade, então continuamos prisioneiros de outra escravidão. Essa escravidão é ainda pior do que aquela na qual nos encontrávamos antes, pois ela passa a ser uma escravidão interior, e não exterior. Tem muito crente que não atinge a maturidade por causa da negligência em ouvir e aprender a palavra de Deus. Muitos já deveriam ter se tornado adulto na fé, mas continuam meninos assim como está escrito: qualquer que ainda se alimenta de leite não está experimentado na palavra da justiça, porque é menino. O crente é aperfeiçoado com o alimento sólido, e é nessa condição que ele vai atingir a maturidade para discernir o bem como o mal. Israel se comportou como um menino rebelde naquele deserto e a Igreja não podem seguir pelo mesmo exemplo.

2. É ao pé do monte que somos preparados para termos visão de cima do monte - Êxodo 19.2 Porque partiram de Refidim e entraram no deserto de Sinai, onde se acamparam. Israel, pois, ali se acampou em frente ao monte.

O comportamento infantil do povo de Israel, não os credenciava a continuar sua jornada rumo à terra prometida, sem um aio para conduzi-los. Esse aio figurativamente falando se tratava da lei que seria estabelecida com os preceitos divinos a serem seguidos. A visão que eles tinham apesar das maravilhas operadas por Deus, ainda era uma visão do pé do monte, ou seja, uma visão limitada que não conseguia enxergar a grandiosidade dos planos divinos para com eles. A lei que seria promulgada no sentido cível, cerimonial e moral tinham o propósito de levá-los a um crescimento espiritual para que alcançassem uma visão de cima e não de baixo. Tem muito crente que ainda tem a visão do pé do monte sem conseguir enxergar a visão do alto, ou seja, a visão do reino de Deus. As meninices, negligências, insubordinação, rebeldias, falta de compromisso com a obra, descrenças e muito mais, são características do crente que tem a visão do pé do monte.

3. È nos particulares com Deus que recebemos tudo aquilo que Ele quer anunciar  - Êxodo 19.3 E subiu Moisés a Deus, e o Senhor o chamou do monte, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel:

É nos particulares com Deus que Ele nos revela a sua vontade. Essa intimidade deve ser cultivada insistentemente para que ela seja estabelecida. O povo de Israel até então só vinha recebendo de Deus e nada oferecendo a Ele. Nenhum deles fez qualquer propósito ou compromisso com Deus e essa é uma obrigação que muitos têm falhado. Porém Deus pela sua infinita misericórdia tem nos sustentado pela sua graça sempre tendo a iniciativa de estabelecer consertos conosco. Em tudo aquilo que tratamos com Deus em nossa ignorância vemos a sua graça se antecipando com as bênçãos da sua bondade que são derramadas sobre as nossas vidas. Como eles não se prontificaram a fazer qualquer compromisso de fidelidade com Deus, então Deus se prontificou as estabelecer diretrizes condicionais a serem seguidas para que eles pudessem ser abençoados. Eles não se faziam merecedores de receber qualquer coisa da parte de Deus da maneira como estavam se conduzindo. Assim também a Igreja que somos nós, se não estabelecermos compromissos com Deus e não cumprirmos os seus preceitos, será muito difícil receber algo da parte dEle.  

4. É sendo livre do mundo que Deus nos dá algo melhor para desfrutar e realizar  - Êxodo 19.4 Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim;

Ser levado sobre as asas de águias significa a liberdade que Israel teve, e que nós tivemos quando nos convertemos a Cristo. Como diz a palavra: se o filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres, e, essa é a verdadeira liberdade a qual significa sermos libertos de fazer aquilo que é mau, e assim agora somos capazes de fazer o que é bom procurando fazer a vontade de Deus nesta terra. O Egito foi uma fornalha de aflição para Israel, e para nós o mundo é uma fornalha de aflição e não podemos ter qualquer recaída dizendo que quando estava no mundo não passava por estas coisas, como se estivesse com saudades da antiga vida. Deus nos livrou do mundo, porque tem algo melhor para desfrutarmos e realizarmos, coisas essas que sendo feitas no mundo não terão valor algum e será um grande desperdício. Os verdadeiros prazeres a serem desfrutados não estão no mundo e sim em Deus, e as verdadeiras obras a serem realizadas não estão no mundo e sim no reino de Deus.

5. É um privilégio ser escolhido por Deus e separado para as suas boas obras - Êxodo 19.5 Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha.

Israel agora liberto do Egito, nãos seria apenas um povo e sim um povo especial com a missão de testificar sobre o Deus que os libertou e ser uma bênção para todas as nações. Todas as nações pertencem ao Senhor e são sustentadas por Ele, mas ele escolheu Israel e agora a Igreja para ser sua propriedade peculiar. Essa escolha não foi em função de méritos, tanto para eles, como para nós, mas sim pela graça soberana de Deus. Isso não os coloca como sendo melhores que qualquer povo e nem nós também, mas nos coloca como sendo um povo diferente, separado pelo Senhor para servi-lo em seu reino. Esse privilégio e deve ser entendido que Deus nos coloca em uma grande responsabilidade a qual muitos ainda não se conscientizaram, pois para aquele que muito foi dado, muito lhe será cobrado.

6. É necessário que neste mundo façamos a diferença entre o santo e o profano - Êxodo 19.6 E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel.

Um reino de sacerdotes era o propósito de Deus com relação a Israel, mesmo com a consagração de Arão e seus filhos, a intenção de Deus era que todo Israel vivenciassem em condição sacerdotais, para testificar a sua verdade e compartilhando suas bênçãos com o mundo. Assim com Israel deveria ser um espelho de Deus para as nações gentílicas, também o deve ser a Igreja. É preciso lembrar que somos sacerdotes reais separados para testificar o sacrifício de Cristo e anunciar o seu grande plano de salvação através do evangelho da graça divina. Israel falhou na sua missão e a Igreja não pode falhar como eles falharam. Israel deveria influenciar as nações a conhecerem o seu Deus e infelizmente as nações é que influenciaram Israel a adorar os seus ídolos. Israel tinha um modelo de culto ao Senhor e acabaram coxeando entre dois pensamentos servindo a Deus e a baal. A igreja tem um modelo de culto ao Senhor que foi mostrado pelos apóstolos no seu inicio, porém o homem tem extrapolado esse modelo ao ponto de não parecer mais um culto ao Senhor.

II. O QUE EXCLUIU ISRAEL DA CANAÃ TERRENA EXCLUIRA A IGREJA DA CELESTIAL

1. É ingratidão com Deus um coração insensível com tendência a esquecer suas bênçãos - Números 11.1 E ACONTECEU que, queixou-se o povo falando o que era mal aos ouvidos do Senhor; e ouvindo o Senhor a sua ira se acendeu; e o fogo do Senhor ardeu entre eles e consumiu os que estavam na última parte do arraial.

O coração do homem é tão ingrato que têm uma forte tendência de se esquecer das bênçãos divinas, ignorando as suas alianças e as suas promessas. A murmuração do povo de Israel ignorou os grandes feitos de Deus para libertá-los do Egito, simplesmente por causa da água que começou a faltar. Isso veio demonstrar a grande falta de fé dos hebreus que descreram que o Deus que fez tantas maravilhas não supriria as suas necessidades de momento. Quantos crentes não agem dessa maneira também, não tendo fé suficiente para aceitar a direção providencial de Deus. Esse tipo de atitude é extremamente grave, pois provoca indignação no Senhor ao ponto dele impor juízos sobre os que assim procedem.

2. È ausente de caráter quem busca o Senhor só quando está debaixo dos seus juízos - Números 11.2 Então o povo clamou a Moisés, e Moisés orou ao Senhor, e o fogo se apagou.

Israel era um povo que reclamava de tudo ao ponto de provocar a ira de Deus. Quando chegavam a esse ponto e o juízo vinha sobre eles então ia até Moisés suplicar a sua intercessão junto ao Senhor para aplacar a sua ira. Tem muito crente que reclama de tudo incluindo o seu líder e até mesmo o próprio Deus, e ai, quando a situação aperta para o lado dele, acaba correndo para o líder a fim de pedir que o socorra. A bíblia diz para não murmurarmos, como o povo de Israel murmurou no deserto e pereceram pelo destruidor.

3. É falta de temor e tremor o crente que tem petulância de murmurar contra Deus - Números 11.3 Pelo que chamou aquele lugar Taberá, porquanto o fogo do Senhor se acendera entre eles.

É algo muito sério se queixar contra Deus, quem assim procede como o povo de Israel procedeu, não ficará impune da sua insensatez. Não somente uma vez, Israel deixou de ser destruído por Deus e o aplacamento da sua ira deveu-se a intercessão de Moisés por esse povo. Ainda bem que para esse povo, Moisés era o único que Deus ouvia e foi graças as suas intercessões que esse povo não foi destruído. Deus não se alegra em punir quem quer que seja, mas se for necessário Ele não deixará de fazê-lo. O crente que tem esse costume de estar se queixando e murmurando deve atentar para não seguir o exemplo dos hebreus, pois é algo muito grave e que provoca a ira de Deus. Não é porque estamos debaixo da graça divina que vamos pensar em ficar impunes pela nossa estupidez; é preciso lembrar que Deus é amor, mas também é um fogo consumidor.

4. É superando as águas amargas da vida que nós provamos ter uma fé verdadeira - Êxodo 15.23 Então chegaram a Mara; mas não puderam beber das águas de Mara, porque eram amargas; por isso chamou-se o lugar Mara..

É muito difícil ficar desprovido de água, era esse o quadro que vivia os hebreus e ficaram extremamente decepcionados quando ao encontrarem água, esta era amargosa. É certo que Deus não os deixaria morrerem de sede. Eles não compreendiam  que estavam sendo provados por Deus, e Deus conhecia bem os seus corações; o que acontece é que eles não conheciam o seu próprio coração. A bíblia diz que enganoso é o coração do homem, mais que todas as coisas, e também é cheio de corrupção; quem o conhecerá? O que sabemos é que Deus nos conhece e faz provas para sermos estimulados a desenvolver o nosso crescimento espiritual. A bíblia diz que Deus nos prova até aonde podemos suportar. Isso mostra que a vida do cristão é cheia de altos e baixos, ou seja, tempos de prosperidade e tempos de dificuldades, pois se vivêssemos só em tempos de prosperidade não haveria qualquer crescimento espiritual.

5. É condicional a obediência aos preceitos divinos para entrar na Canaã Celestial - Hebreus 4:11 Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência.

Israel foi realmente um mau exemplo, ou seja, um exemplo que não deve ser seguido quanto a sua incredulidade que os fez perecer no deserto. Não podemos cair no mesmo exemplo de desobediência como muitos caíram antes de nós. Isso vem refutar os pregadores do evangelho fácil, ou que ensinam sobre uma vez salvo, salvo para sempre. A bíblia diz para guardar o que temos para que ninguém tome a nossa coroa. Não vamos cair no mesmo exemplo para tornar-nos tão miseráveis quanto eles, e pecar como eles pecaram.  

6. É a impaciência e a descrença os ingredientes que levam o povo a prática da idolatria - I Coríntios 10.8 E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil.

Se quisermos evitar os juízos divinos devemos temer e não praticar os pecados de Israel. Deus julgará tanto os que se prostituem espiritualmente, como os que se prostituem fisicamente. Os hebreus foram desaprovados e morreram por causa do pecado. Eles se entregaram as suas próprias concupiscências, provocando a Deus de forma deliberada provocando a sua paciência. Embora tendo sido libertos do Egito de uma maneira espetacular, ainda assim, pecaram, e Deus teve que punir. Privilégio espiritual não significa licença para pecar. Paulo disse que podia todas as coisas que desejasse, mas nem tudo era lícito fazer. A liberdade que Deus nos concede envolve uma grande responsabilidade de obediência diante dele.


Obs: Esboço é elaborado exclusivamente pelo texto da (Leitura Bíblica em Classe).

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel - Th.M.
 
Se você sentir de colaborar com uma oferta use um dos meios abaixo.
Faça a sua doação por
um dos meios ao lado>
 
Banco Itaú  Agência 9184 
 Conta corrente  05524-3
 

A PEREGRINAÇÃO DE ISRAEL NO DESERTO ATÉ O SINAI

Lição 6 - 9  fevereiro de 2014

Texto Áureo: I Coríntios 10.11 Ora, tudo isso lhes sobreveio com figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos.

Leitura Bíblica em Classe: Êxodo 19.1-6; Números 11.1-3

 

IGREJA, NÃO CAIA NO MESMO EXEMPLO DA DESOBEDIÊNCIA DE ISRAEL

 

1. AS EXPERIÊNCIAS DE ISRAEL NO DESERTO DO SINAI COM LIÇÕES PARA A IGREJA

1. É no deserto da provação que Deus nos leva para atingirmos a maturidade - Êxodo 19.1 AO terceiro mês da saída dos filhos de Israel da terra do Egito, no mesmo dia chegaram ao deserto de Sinai,

2. É ao pé do monte que somos preparados para termos visão de cima do monte - Êxodo 19.2 Porque partiram de Refidim e entraram no deserto de Sinai, onde se acamparam. Israel, pois, ali se acampou em frente ao monte.

3. È nos particulares com Deus que recebemos tudo aquilo que Ele quer anunciar  - Êxodo 19.3 E subiu Moisés a Deus, e o Senhor o chamou do monte, dizendo: Assim falarás à casa de Jacó, e anunciarás aos filhos de Israel:

4. É sendo livre do mundo que Deus nos dá algo melhor para desfrutar e realizar  - Êxodo 19.4 Vós tendes visto o que fiz aos egípcios, como vos levei sobre asas de águias, e vos trouxe a mim;

5. É um privilégio ser escolhido por Deus e separado para as suas boas obras - Êxodo 19.5 Agora, pois, se diligentemente ouvirdes a minha voz e guardardes a minha aliança, então sereis a minha propriedade peculiar dentre todos os povos, porque toda a terra é minha.

6. É necessário que neste mundo façamos a diferença entre o santo e o profano - Êxodo 19.6 E vós me sereis um reino sacerdotal e o povo santo. Estas são as palavras que falarás aos filhos de Israel.

II. O QUE EXCLUIU ISRAEL DA CANAÃ TERRENA EXCLUIRA A IGREJA DA CELESTIAL

1. É ingratidão com Deus um coração insensível com tendência a esquecer suas bênçãos - Números 11.1 E ACONTECEU que, queixou-se o povo falando o que era mal aos ouvidos do Senhor; e ouvindo o Senhor a sua ira se acendeu; e o fogo do Senhor ardeu entre eles e consumiu os que estavam na última parte do arraial.

2. È ausente de caráter quem busca o Senhor só quando está debaixo dos seus juízos - Números 11.2 Então o povo clamou a Moisés, e Moisés orou ao Senhor, e o fogo se apagou.

3. É falta de temor e tremor o crente que tem petulância de murmurar contra Deus - Números 11.3 Pelo que chamou aquele lugar Taberá, porquanto o fogo do Senhor se acendera entre eles.

4. É superando as águas amargas da vida que nós provamos ter uma fé verdadeira - Êxodo 15.23 Então chegaram a Mara; mas não puderam beber das águas de Mara, porque eram amargas; por isso chamou-se o lugar Mara..

5. É condicional a obediência aos preceitos divinos para entrar na Canaã Celestial - Hebreus 4:11 Procuremos, pois, entrar naquele repouso, para que ninguém caia no mesmo exemplo de desobediência. 

6. É a impaciência e a descrença os ingredientes que levam o povo a prática da idolatria - I Coríntios 10.8 E não nos prostituamos, como alguns deles fizeram; e caíram num dia vinte e três mil.
 
l