Home   Agenda   Escola Dominical   Estudos Bíblicos   Contato
Escola Dominical - Esboços da EBD

Lições do 3º Trimestre de 2013 - CPAD - Jovens e Adultos
  
 
 

Filipenses
A humildade de Cristo como exemplo para a Igreja

 A RECIPROCIDADE DO AMOR CRISTÃO
Lição 12 - 22 de setembro de 2013
Texto Áureo: Filipenses 4.13 Posso todas as coisas naquele que me fortalece.
Leitura Bíblica em Classe: Filipenses 4.10-13

 
SEJAMOS RECÍPROCOS EM TUDO QUE ENVOLVA O BEM
 
Introdução: Em psicologia social, reciprocidade refere-se a responder uma ação positiva com outra ação positiva, e responder uma ação negativa com outra negativa. Porém na psicologia cristã a reciprocidade é praticada dessa forma em relação a ação negativa, isto porque a bíblia diz: (Não te deixes vencer do mal, mas vence o mal com o bem. Romanos 12:21). Assim entendemos que a reciprocidade do cristão não pode ser devolvida com o mal e sim com o bem, até com os nossos inimigos, como está escrito: (Portanto, se o teu inimigo tiver fome, dá-lhe de comer; se tiver sede, dá-lhe de beber; porque, fazendo isto, amontoarás brasas de fogo sobre a sua cabeça. Romanos 12:20). A reciprocidade quando envolve o bem na vida do cristão proporcionará coisas saudáveis para o nosso dia a dia e também para o nosso desenvolvimento espiritual. Quando em nosso dia a dia como cristãos amorosos usamos de gentilezas, favores, ajudas, saudações e outros gestos com outras pessoas e elas usando de reciprocidade interagem conosco diante do que receberam com gestos de agradecimentos e outros mais, certamente é algo gratificante para nós. Temos também a reciprocidade da parte de Deus e essa nunca falha. Tudo que fazemos em prol do seu reino e tudo que está envolvido nele, certamente haverá a reciprocidade divina, pois o nosso trabalho não é vão no Senhor.    
I – JESUS NOS PROVÊ QUANDO DAMOS PROVISÃO NA SUA OBRA
1. Devemos prover as necessidades de quem nos provê espiritualmente - Filipenses 4.10a... Ora, muito me regozijei no Senhor por finalmente reviver a vossa lembrança de mim; = Romanos 12:13 - Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;
Paulo estando preso em Roma poderia não ter motivos para se alegrar, mas muito pelo contrário ele sempre encontrava motivos para se alegrar. Entre esses motivos estava a liberalidade dos irmãos filipenses, que apesar de todas as dificuldades financeiras que passavam, não se esqueceram do apóstolo na prisão e fizeram de tudo para arrecadar contribuição e enviar a ele. Assim o apóstolo tendo conhecimento do esforço desses irmãos, tinha todos os motivos para se alegrar, pois na realidade eles estavam praticando a reciprocidade para com ele e isso era considerado muito gratificante, pois Paulo havia contribuído muito com a Igreja de Filipos. A reciprocidade do amor cristão é falsa quando ela fica só em palavras sem observar as necessidades dos irmãos que clamam para que elas sejam supridas, e ao cristão que tem os verdadeiros princípios da reciprocidade certamente não passará ao largo, mas usará de prontidão em atender aquele que está sofrendo. Devemos sempre estar prontos para socorrer a qualquer um que esteja em necessidade; isso é uma forma de comunicar a esses santos a nossa prontidão liberal em ajudar. Temos que compartilhar com nossos irmãos na fé: principalmente os domésticos da fé.  
2. Devemos nos preocupar com quem é cuidadoso com a nossa alma - Filipenses 4.10b... pois já vos tínheis lembrado = Hebreus 13:17 - Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.
Paulo não deixou de ser lembrado por tudo que fez em benefício espiritual dos filipenses e isso é algo que todo aquele que se esforça em favor da igreja espera receber em troca. Quando a igreja tem essa conscientização e procura retribuir de forma espontânea o trabalho daqueles que zelam por suas almas. Certamente aquele que é reconhecido se sentira extremamente gratificado e motivado, pois isso também significa o reconhecimento pelo bom trabalho prestado, e assim a melhor forma de reconhecer isso é ser recíproco com esse. Quem vela pelas almas das pessoas, cuidando doutrinariamente da salvação para edificá-la em conhecimento, fé e santidade, e, se o faz com sabedoria deve receber a reciprocidade de todos. É preciso saber que aquele que cuida haverá de prestar contas de como cumpriram a sua obrigação, e o que aconteceu com as almas que lhes foram confiadas, se alguma se perdeu devido à sua negligência, ou se algumas foram edificadas pelo seu esforço doutrinário. Se o teu pastor é um pastor de verdade, seja recíproco com Ele, pois esse teu gesto gerará bênção de Deus na tua vida.
3. Devemos ser dadivosos aos que dão a sua vida a serviço do reino - Filipenses 4.10c... mas não tínheis tido oportunidade. = 2 Coríntios 9:7 - Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.
Paulo teve conhecimento que a demora em receber as ofertas dos irmãos filipenses, tinha a ver com as dificuldades enfrentadas para que estas chegassem até ele e esse era o único motivo e não outro qualquer. Naquele tempo as viagens longas eram extremamente difíceis e perigosas e também havia a dificuldade de encontrar alguém disposto a se oferecer a isso. Nesse caso quem se voluntariou e foi enviado, foi o irmão Epafrodito. Tem crente que para ofertar na obra, só o faz diante de alguma pressão por parte do pastor e isso é totalmente errado, pois Deus não aceita nada de forma forçada ou de má vontade. Quando ajudamos alguém devemos fazê-lo de coração e com espontaneidade e sempre sendo generosos e não mirrados nessas ações. Devemos ser liberais, mão aberta, e isso com alegria e satisfação, pois é melhor dar do que receber. Tenha a certeza de que o semeador receberá novamente com abundância.
II – JESUS NOS CONTENTA SE EM TODO TEMPO O CONTENTAMOS
1. É motivo de contentamento ser suprido mesmo que seja com pouco - Filipenses 4.11a... Não digo isto como por necessidade = 1 Timóteo 6:6 - Mas é grande ganho a piedade com contentamento.
Uma coisa que Paulo não fazia era não constranger os irmãos para que lhe mandassem ofertas, pois ele mesmo dizia: (e em tudo me guardei de vos ser pesado, e ainda me guardarei. 2 Coríntios 11:9). Porém ele contava com a reciprocidade dos irmãos diante da situação financeira difícil pela qual estava passando, pois quando ele estava em liberdade procurava não pedir nada aos irmãos e para ter o seu sustento ele fazia tendas para vender. Alguns consideram o cristianismo uma ocupação vantajosa e realmente tiram proveito disso, quase sempre fraudulosamente, mas para os fiéis esse pensamento é falso. Embora seja um pior negócio no sentido de tirar lucros, e isso digo em relação aos fiéis que não exploram as almas e não vêem o cristianismo dessa maneira, pois vêem como o melhor chamado do mundo e é por isso que dão a sua vida por isso. Esses sim merecem a nossa reciprocidade.
2. É motivo de contentamento ser honrado pelo trabalho que fazemos - Filipenses 4.11b... porque já aprendi = Hebreus 6:10 - Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra, e do trabalho do amor que para com o seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos; e ainda servis.
Paulo nas suas viagens missionárias aprendeu a suportar todos os tipos de adversidades e essa sua experiências de vida é que o fortaleciam cada vez mais, pois tudo que ele fazia não era para o homem e sim para Deus. Toda boa obra que fazemos e todo trabalho procedentes do amor de Deus são importantes e nada do que fazemos que venha agradar a Deus ficará sem recompensa. O que é feito aos santos, Deus aceita como feito a Ele mesmo. Isso é motivador para continuar nesse trabalho com perseverança no seu cumprimento. Seja recíproco com aquele que se esforça em teu favor e tenha certeza que Deus te recompensará.

 
3. É motivo de contentamento ser servido com o que nos é necessário -

Paulo não era exigente, explorador ou ganancioso, pois ele se contentava com poucas coisas. Bastava chegar a ele uma pequena oferta que há já era motivo de grande gratidão da parte dele. É bem verdade que essa característica não é vista na maioria dos pastores e sim em bem poucos. Paulo logo cedo começava a trabalhar pregando o evangelho e a noite dormia tarde, pois ficava fabricando tendas para o seu sustento. As vezes passa necessidades e carecia de sustento, mesmo com toda bênção que ele era para os outros. Mas é sempre assim em todo o canto, tem os que são recíprocos e tem os que não são. Paulo só desejava nada mais que ter suas necessidades básicas satisfeitas. Ele não exerceu seu ministério com o objetivo de ficar rico, apenas queria ter o sustento de comida e roupa. Que contraste com muitos pastores dos nossos tempos, que querem ostentar uma vida de luxo a custa dos incautos. Se você está nesse meio, sai do meio deles enquanto é tempo para não ser conivente e sustentador dos seus impérios religiosos.
III – JESUS É NOSSA ALEGRIA SE TAMBÉM SOMOS A SUA ALEGRIA
1. Cristo se alegra quando somos resolutos em todas as situações – Filipenses 4.12a... Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, = Lucas 16,10 Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito; quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito.
Crente que é crente é resoluto para dar graças no pouco, como também dar graças no muito e essa é uma característica de um verdadeiro crente. A reciprocidade de Cristo para conosco é que Ele está presente e contínuo, sempre nos fortalecendo por meio do seu poder e força constante. Ele nos renova e nos capacita a agir em cada situação; por isso dependemos dele para todo o nosso poder espiritual. Isso acontece se o nosso trabalho for sério e sem envolver qualquer cobiça ou riqueza mundana. Se formos infiéis no mínimo, e usarmos o que Deus nos dá para outros propósitos que não sejam aqueles para os quais elas nos foram dadas, estaremos sendo infiéis nos dons da graça de Deus. Temos que ser fiéis no mínimo e também no muito e nem sempre é assim, pois nem todos usam a reciprocidade para com Deus. A casos de pessoas que quando ganham pouco, são os mais ferrenhos dizimistas e ofertantes, porém quando alcançam uma renda maior começam a fechar a mão para a obra e deixam de usar a reciprocidade para com Deus. É bom lembrar que Deus retém a sua graça das pessoas avarentas mais do que podemos imaginar.
2. Cristo se alegra quando sempre acreditamos na sua providência - Filipenses 2b...e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. = Lucas 12:24 Considerai os corvos, que nem semeiam, nem segam, nem têm despensa nem celeiro, e Deus os alimenta; quanto mais valeis vós do que as aves?
Para quem enfrentou todo tipo de adversidade como Paulo, ou seja, tribulação, angústia, perseguição, fome, nudez, perigo, espada, nenhuma outra coisa poderia lhe trazer qualquer abalo, pois tudo que fazia tinha a reciprocidade de Cristo. Os nossos cuidados excessivos são provenientes da fraqueza da nossa fé, porque devemos crer na completa suficiência divina, pois fiel é o que nos promete. Não convêm para o crente andar em preocupações inúteis, vãs, e insignificantes. Portanto, é loucura condescender com elas. Elas não nos concederão os nossos desejos, e, por esta razão, não devem tirar a nossa tranqüilidade. Se estivermos fazendo a obra de Deus com fidelidade, devemos crer que Ele sempre usará de reciprocidade para conosco em tudo que contribuirmos em prol do seu reino.
3. Cristo se alegra quando o temos como a fonte da nossa força - Filipenses 4.13 Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. = Neemias 8:10c... porque a alegria do Senhor é a vossa força.
Paulo havia aprendido a contentar-se sob todas as condições de vida, mas tinha o cuidado de declarar que não dependia inteiramente dele, antes tinha consciência de que era dependente primeiramente de Cristo, o qual em todo o tempo lhe supria suas forças necessárias para o seu ministério. Paulo encontrava toda a força espiritual em Cristo. O crente que tem essa convicção nunca será frustrado pelo Senhor, pois em todo o tempo Ele sabe ser recíproco para com aqueles que lutam pela sua causa. O sucesso de vários personagens bíblicos decorreu em agradar o Senhor pelo esforço em realizar as missões as quais Ele lhes confiava e dessa forma, o Senhor se alegrava e usava de reciprocidade para com eles.
Tenho elaborado este trabalho a vários anos incansavelmente, o qual atinge vários países e no Brasil em todos os estados de norte a sul. São milhares de pessoas que acessam este site e usam os meus estudos. Porém dentre esses milhares só um ou dois de vez em quando tem sido recíproco em reconhecer o meu esforço me abençoando com uma oferta. Isso mostra como falta a reciprocidade entre nós. As ofertas que peço não é para o meu uso pessoal e sim para os custos com o site e cobrir despesas da Igreja que pastoreio. Sem constrangimento se você usar da reciprocidade para comigo, tenha a certeza que Deus usará da reciprocidade para contigo. Deus te abençoe.


Obs: Esboço é elaborado exclusivamente pelo texto da (Leitura Bíblica em Classe).


Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel - Th.M.
 
Quer ajudar esta obra? Então faça sua doação por um dos meios abaixo.
Faça a sua doação por
um dos meios ao lado>
 
Banco Itaú  Agência 9184 
 Conta corrente  05524-3
 
A RECIPROCIDADE DO AMOR CRISTÃO
Lição 12 - 22 de setembro de 2013
Texto Áureo: Filipenses 4.13 Posso todas as coisas naquele que me fortalece.
Leitura Bíblica em Classe: Filipenses 4.10-13
 
SEJAMOS RECÍPROCOS EM TUDO QUE ENVOLVA O BEM
 
 I – JESUS NOS PROVÊ QUANDO DAMOS PROVISÃO NA SUA OBRA
1. Devemos prover as necessidades de quem nos provê espiritualmente - Filipenses 4.10a... Ora, muito me regozijei no Senhor por finalmente reviver a vossa lembrança de mim; = Romanos 12:13 - Comunicai com os santos nas suas necessidades, segui a hospitalidade;
 2. Devemos nos preocupar com quem é cuidadoso com a nossa alma - Filipenses 4.10b... pois já vos tínheis lembrado = Hebreus 13:17 - Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil.
 3. Devemos ser dadivosos aos que dão a sua vida a serviço do reino - Filipenses 4.10c... mas não tínheis tido oportunidade. = 2 Coríntios 9:7 - Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria.
 II – JESUS NOS CONTENTA SE EM TODO TEMPO O CONTENTAMOS
1. É motivo de contentamento ser suprido mesmo que seja com pouco - Filipenses 4.11a... Não digo isto como por necessidade = 1 Timóteo 6:6 - Mas é grande ganho a piedade com contentamento.
 2. É motivo de contentamento ser honrado pelo trabalho que fazemos - Filipenses 4.11b... porque já aprendi = Hebreus 6:10 - Porque Deus não é injusto para se esquecer da vossa obra, e do trabalho do amor que para com o seu nome mostrastes, enquanto servistes aos santos; e ainda servis.
 3. É motivo de contentamento ser servido com o que nos é necessário - Filipenses 4.11c... a contentar-me com o que tenho. = Atos 20.34 Sim, vós mesmos sabeis que para o que me era necessário a mim, e aos que estão comigo, estas mãos me serviram.
 III – JESUS É NOSSA ALEGRIA SE TAMBÉM SOMOS A SUA ALEGRIA
1. Cristo se alegra quando somos resolutos em todas as situações – Filipenses 4.12a... Sei estar abatido, e sei também ter abundância; em toda a maneira, = Lucas 16,10 Quem é fiel no mínimo, também é fiel no muito; quem é injusto no mínimo, também é injusto no muito.  
2. Cristo se alegra quando sempre acreditamos na sua providência - Filipenses 2b...e em todas as coisas estou instruído, tanto a ter fartura, como a ter fome; tanto a ter abundância, como a padecer necessidade. = Lucas 12:24 Considerai os corvos, que nem semeiam, nem segam, nem têm despensa nem celeiro, e Deus os alimenta; quanto mais valeis vós do que as aves?
 3. Cristo se alegra quando o temos como a fonte da nossa força - Filipenses 4.13 Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece. = Neemias 8:10c... porque a alegria do Senhor é a vossa força.

 
 
 
l