Home   Agenda   Escola Dominical   Estudos Bíblicos   Contato

Escola Dominical - Esboços da EBD
Lições do 4° Trimestre de 2014 - CPAD - Jovens e Adultos
 
Integridade Moral e Espiritual 
O legado do livro de Daniel para a Igreja hoje
A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
Lição 2 - 12 de Outubro de 2014
Texto Áureo: “E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, [...] portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar’' (Dn 1.8).
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 1.1-8,17,20

QUEM TEM CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL CONSERVA-O EM QUALQUER LUGAR

Introdução:
A palavra caráter pode ser definida como características e traços relativos à maneira de agir e de reagir no sentido individual ou em grupo. É o conjunto de qualidades e defeito de alguém, é o que vão determinar a sua conduta e a sua moralidade, que envolve o seu caráter. Uma pessoa conhecida como "sem caráter", geralmente é qualificada como desonesta, por não apresentar firmeza de princípios ou de moral. Por outro lado, uma pessoa de "caráter" é alguém com formação moral sólida e incontestável. Quando uma pessoa tem um caráter firme, ela não se deixa levar por propostas de via mais fácil para a realização de algo, mesmo que naquele momento pareça ser o melhor caminho a seguir, é o caráter que vai determinar a escolha do indivíduo. Pessoas do mundo secular que demonstram um caráter íntegro são raridades em nossos tempos, basta olharmos para os poderes legislativo, judiciário e executivo e vamos observar que a maior parte deles, são pessoas desprovidas de caráter. No meio evangélico onde todos deveriam ser pessoas de caráter íntegro, infelizmente não é isso que vemos em nossos dias. Através do exemplo desses jovens personagens bíblicos que foram levados cativos para a Babilônia, é possível ver e aprender como é vivido o verdadeiro caráter em qualquer situação, por mais difícil que seja.
I. QUEM DECLINA NA FÉ E NÃO SE ARREPENDE NÃO ESCAPA DO JUÍZO DIVINO

1. A situação moral e política de Judá foi o que os levou ao cativeiro babilônico - Daniel I.1 - No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou.
Os judeus por não desenvolverem um caráter íntegro tanto na parte política e religiosa foram despatriados por não darem ouvidos a Deus que os exortava ao arrependimento através de vários profetas e por último o profeta Jeremias. Durante décadas, os profetas haviam avisado os governantes de Judá que sua idolatria, imoralidade e injustiça dentro do reino os levariam à ruína. Vários profetas com Isaías, Miquéias, Habacuque previram o resultado da desobediência e finalmente o profeta Jeremias viveu para ver o cumprimento dessas profecias e daquelas que ele mesmo havia proclamado. Deus preferia que seu povo vivesse em cativeiro vergonhoso numa terra pagã a viver como pagãos na terra santa envergonhando seu nome.
2. A situação espiritual de Judá estava toda inclinada para o pecado da idolatria - Ó meu monte, no campo, a tua riqueza e todos os teus tesouros, darei por presa, como também os teus altos, por causa do pecado, em todos os teus termos. Jeremias 17:3
Em vez de dedicar sua devoção e obediência ao verdadeiro Deus vivo que os havia abençoado, os judeus adotaram os ídolos das nações vizinhas e deram-lhes mais valor do que a Jeová. Eles construíram altares para esses deuses contrariando o mandamento divino que proibia essa prática. Com isso, contaminaram a terra, e por causa da idolatria, a herança do povo seria saqueada. Assim, perderiam tudo o que tinham por sua própria culpa. A lei que deveria estar gravada em seus corações foi ignorada e deram lugar para gravar em seus corações o pecado. Podemos esquecer-nos dos nossos pecados, mas eles não se esquecem de nós, pois ficam impressos em nosso coração até que peçamos perdão a Deus. Só assim podemos ser purificados e renovados.
3. O império babilônico arrasou o reino de Judá porque Deus assim permitiu - Daniel 1.2 - E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da Casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus.
Enquanto os judeus respeitavam e obedecia a lei do Senhor, não havia quem ousasse profanar o templo em Jerusalém e escapasse de morrer. Porém a iniquidade dos judeus transbordou a tal ponto que o próprio Deus os entregou nas mãos de Nabucodonosor. Este monarca foi usado por Deus como instrumento de juízo para levar o seu povo ao cativeiro na babilônia. (Hebreus 10.31 Horrenda coisa é cair nas mãos do Deus vivo). Deus é longânimo, e todo juízo que Ele pretende executar sempre avisa antes através dos seus profetas, pois a palavra diz que Deus não fará coisa alguma sem antes avisar aos seus servos os profetas. O desprezo aos avisos dos profetas do Senhor traz consequências desastrosas. (Não erreis: Deus não se deixa escarnecer; porque tudo o que o homem semear, isso também ceifará. Gálatas 6:7).

II. QUEM POSSUI UM CARÁTER ÍNTEGRO SABE RESISTIR A TODA CORRUPÇÃO MORAL
1. A tentativa de aculturamento dos jovens hebreus não os distanciaram da sua fé em Deus - Daniel 1.3 - E disse o rei a Aspenaz, chefe dos eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real, e dos nobres. Daniel 1.4 - jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus.
Daniel e seus três companheiros foram escolhidos para servirem na corte do rei de Babilônia. As exigências observadas eram que fossem da linhagem real; e serem pessoas nobres. Esses requisitos foram encontrados nestes jovens, pois eram perfeitos, e perfeitamente instruídos para toda boa obra. Daniel e seus três amigos foram parte de um remanescente judeu fiel na Babilônia, colocados lá pelo Senhor para cumprir os seus propósitos. Esses jovens se destacavam em todos os aspectos e eram os melhores e mais brilhantes e preparados por Deus para um ministério estratégico longe de seu lar. Embora tenham sido aculturados nos costumes dos caldeus eles demonstraram mesmo correndo riscos de morrerem executados, que a sua fé em Deus estava em primeiro lugar.
2. Os jovens resistiram a participar do manjar do rei demonstrando um caráter fiel a Deus - Daniel 1.5 - E o rei lhes determinou a ração de cada dia, da porção do manjar do rei e do vinho que ele bebia, e que assim fossem criados por três anos, para que no fim deles pudessem estar diante do rei.
Estes jovens tiveram que passar por ardentes provas, mas em todas elas não perderam a sua identificação como servos de Deus. O programa de educação requeria que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus, num curso intensivo de três anos. Seu bem-estar físico incluía o melhor que o reino podia oferecer, ou seja, as iguarias da mesa imperial. O tratamento recebido pelos jovens era o melhor possível, porém não foram tentados pela melhor alimentação, a qual o próprio rei se servia, pois isso feriria os seus princípios judaicos manchando assim o seu caráter como servos de Deus. As maças do diabo são bichadas. Sem dúvida a comida do rei, era a melhor da terra e os jovens recusaram, pois isso os contaminaria e se tornaria impuros diante de Deus.
3. Ao receberam nomes de divindades babilônicas, não perderam a sua identificação judaica - Daniel 1.6 - E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Daniel 1.7 - E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias, o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias, o de Abede-Nego.
Era costume dos hebreus, darem nomes as suas crianças com significado profético, não somente para distinguir esta pessoa, como também manterem uma conotação profética. Daniel e seus companheiros foram agraciados por seus pais com nomes proféticos. O nome Daniel significa "Deus é meu juíz", mas foi mudado para Belsazar ou "Bel protege a vida dele". Hananias quer dizer "O Senhor mostra graça", mas seu novo nome, Sadraque, significa "o comando de Aku". Misael quer dizer "Quem é como Deus", e seu novo nome, Mesaque, significa "quem é como Aku". Azarias significa, "O Senhor é meu auxilio" e seu novo nome, Abede-nego quer dizer "servo de Nebo". Eles não deram importância aos seus novos nomes, pois os seus nomes originais testificava a sua religião e nacionalidade. Essa mudança de nomes era um plano diabólico com intenções de apagarem a memória de Jerusalém, extinguir toda a ideia de religião e uni-los à política do mundo. Também havia a intenção de divulgar através desses jovens a falsa religião do monarca babilônico.
 
III. – QUEM TEM TEMOR DE DEUS NÃO SE CONTAMINA COM OS MANJARES DO MUNDO
1. Daniel, um modelo de fidelidade: evitou se contaminar com comida oferecida a ídolos - Daniel 1.8 - E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.
A comida e a bebida dos monarcas babilônicos eram, antes de tudo oferecidas a ídolos pagãos, e, portanto Daniel e seus companheiros decidiram evitar participar desse manjar do rei. Daniel, como fiel judeu, não podia participar de comidas consagradas e dedicadas aos deuses pagãos. Os verdadeiros cristãos devem se abster de tudo que possa contaminar a sua alma, mesmo que seja muito atrativo ao paladar. O verdadeiro cristão deve seguir a risca os conselhos divinos que diz para em todos os tempos serem alvos os nossos vestidos, e que nunca falte o óleo sobre as nossas cabeças.
2. Daniel, um modelo de excelência, e pelo seu espírito excelente recebeu dons especiais - Daniel 1.17 - Ora, a esses quatro jovens Deus deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda visão e sonhos.
A nossa competência depende do nosso treinamento e isso envolve a nossa sobrevivência. Para uma convivência inteligente em qualquer lugar precisamos ser bem educados. Para servimos a Deus exercendo um ministério precisamos de dons divinos e dependência do Senhor. O treinamento e a educação são extremamente importantes, mas tudo isso não vai substituir a capacidade e a sabedoria que só Deus pode dar. Os jovens tiveram de estudar e se aplicar, mas Deus lhes deu aptidão de aprendizado. Deus os recompensou por isto com eminência no saber. Porque ao homem que é bom diante dele, dá Deus sabedoria, e conhecimento. Para Daniel ele deu uma porção dobrada, pois recebeu dons de visões, sonhos e interpretação. Ele foi investido de um espírito profético, pelo qual era capacitado a conversar com Deus, e receber as mensagens divinas em sonhos e visões.
3. Daniel, um modelo de integridade pura convivendo no meio de uma sociedade corrupta - Daniel 1.20 - E em toda matéria de sabedoria e de inteligência sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos ou astrólogos que havia em todo o seu reino.
Quem busca a sabedoria divina e se aplica nela com todo o zelo, certamente se tornará alguém com uma espiritualidade elevada, assim como foi com Daniel. Daniel soube responder tudo o que lhe foi perguntado pelo rei da Babilônia com verdadeira sabedoria e ousadia. São exemplos que nos levam a entender que existem fontes de sabedoria variadas da parte de Deus, principalmente os seus mandamentos escritos na sua palavra. Precisamos nutrir esse desejo ardente por maiores dons espiritual, pois o verdadeiro cristão não pode ficar estagnado no seu desenvolvimento espiritual. Daniel tornou-se na corte um intérprete de testificador dos caminhos do verdadeiro Deus. Foi uma testemunha perante reis e um dos maiores profetas escatológicos da Bíblia.

Elaborado pelo Pastor Adilson Guilhermel Th.M.
Quer me ajudar a manter esta obra? É só enviar uma oferta pelos meios abaixo
Banco Itaú  Agência 9184 
 Conta corrente  05524-3
 
A FIRMEZA DO CARÁTER MORAL E ESPIRITUAL DE DANIEL
Lição 2 - 12 de Outubro de 2014
Texto Áureo: “E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, [...] portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar’' (Dn 1.8).
Leitura Bíblica em Classe: Daniel 1.1-8,17,20


I. QUEM DECLINA NA FÉ E NÃO SE ARREPENDE NÃO ESCAPA DO JUÍZO DIVINO
1. A situação moral e política de Judá foi o que os levou ao cativeiro babilônico - Daniel I.1 - No ano terceiro do reinado de Jeoaquim, rei de Judá, veio Nabucodonosor, rei da Babilônia, a Jerusalém e a sitiou.

2. A situação espiritual de Judá estava toda inclinada no pecado da idolatria - Ó meu monte, no campo, a tua riqueza e todos os teus tesouros, darei por presa, como também os teus altos, por causa do pecado, em todos os teus termos. Jeremias 17:3

3. O império babilônico arrasou o reino de Judá porque Deus assim permitiu - Daniel 1.2 - E o Senhor entregou nas suas mãos a Jeoaquim, rei de Judá, e uma parte dos utensílios da Casa de Deus, e ele os levou para a terra de Sinar, para a casa do seu deus, e pôs os utensílios na casa do tesouro do seu deus.

II. QUEM POSSUI UM CARÁTER ÍNTEGRO SABE RESISTIR A TODA CORRUPÇÃO MORAL
1. A tentativa de aculturamento dos jovens não os afastaram da sua fé em Deus - Daniel 1.3 - E disse o rei a Aspenaz, chefe dos eunucos, que trouxesse alguns dos filhos de Israel, e da linhagem real, e dos nobres. Daniel 1.4 - jovens em quem não houvesse defeito algum, formosos de aparência, e instruídos em toda a sabedoria, e sábios em ciência, e entendidos no conhecimento, e que tivessem habilidade para viver no palácio do rei, a fim de que fossem ensinados nas letras e na língua dos caldeus.

2. Os jovens resistiram participar do manjar do rei demonstrando um caráter fiel  - Daniel 1.5 - E o rei lhes determinou a ração de cada dia, da porção do manjar do rei e do vinho que ele bebia, e que assim fossem criados por três anos, para que no fim deles pudessem estar diante do rei.

3. Receberam nomes de divindades babilônicas, sem perder sua identidade judaica - Daniel 1.6 - E entre eles se achavam, dos filhos de Judá, Daniel, Hananias, Misael e Azarias. Daniel 1.7 - E o chefe dos eunucos lhes pôs outros nomes, a saber: a Daniel pôs o de Beltessazar, e a Hananias, o de Sadraque, e a Misael o de Mesaque, e a Azarias, o de Abede-Nego.

III. – QUEM TEM TEMOR DE DEUS NÃO SE CONTAMINA COM OS MANJARES DO MUNDO
1. Daniel, um modelo de fidelidade: evitou se contaminar com comida oferecida a ídolos - Daniel 1.8 - E Daniel assentou no seu coração não se contaminar com a porção do manjar do rei, nem com o vinho que ele bebia; portanto, pediu ao chefe dos eunucos que lhe concedesse não se contaminar.

2. Daniel, um modelo de excelência, e pelo seu espírito excelente recebeu dons especiais - Daniel 1.17 - Ora, a esses quatro jovens Deus deu o conhecimento e a inteligência em todas as letras e sabedoria; mas a Daniel deu entendimento em toda visão e sonhos.

3. Daniel, um modelo de integridade pura convivendo no meio de uma sociedade corrupta - Daniel 1.20 - E em toda matéria de sabedoria e de inteligência sobre que o rei lhes fez perguntas, os achou dez vezes mais doutos do que todos os magos ou astrólogos que havia em todo o seu reino.


 
l