Escola Dominical - Esboços da EBD


Pastor Adilson Guilhermel

Página Inicial     Agenda     Escola Dominical     Estudos Bíblicos   Contato

 

Escola Dominical - Esboços da EBD
Lições do 4º trimestre de 2018
As Parábolas de Jesus – As Verdades e Princípios Divinos para uma Vida Abundante

Parábola: Uma lição para a vida

 

 

Amando e Resgatando a Pessoa Desgarrada

Lição 5 - 4 de novembro de 2018

Texto Áureo - “Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.” (Lc 15.7)

Leitura Bíblica em Classe: - Lucas 15.3-10

 

Introdução: Essa parábola que Jesus ensinou sobre a ovelha desgarrada e a dracma perdida veio através de uma provocação de escribas e fariseus que se julgando homens santos e fiéis a Deus, na realidade isso era apenas uma máscara de falsidade, pois eram pessoas cheias de orgulho e soberba. Acusavam Jesus de interagir com os coletores de impostos e publicanos, como também com outras pessoas de má reputação e por isso acusavam Jesus pelo seu relacionamento com esses indivíduos. Para esses religiosos, a associação com as pessoas desse tipo era considerada algo contagiante, como também beber e comer com eles era ultrajante. Acusaram Jesus de beberrão e comilão e amigo de pecadores numa frivolidade espiritual que não discernia os propósitos salvíficos que esta sendo realizado pelo Senhor. Como esses religiosos demonstravam com as suas atitudes, não ter amor pelas almas perdidas, Jesus revela através dessas parábolas o valor de uma alma, a qual eles não demonstravam qualquer sensibilidade e amor por elas. A cegueira espiritual que dominava esses religiosos não permitia que eles pudessem entender que o filho do homem veio buscar e salvar o perdido nesse mundo de trevas dominado por satanás. Não conseguiam enxergar também que eles próprios achando-se santos demais estavam entre esses perdidos. Esse estudo faz um alerta a todos os pastores que tem esse mesmo sentimento fingido dos escribas e fariseus, pois se assim estiverem procedendo estão mais perdidos dos que os perdidos.

 

1. O pastor não pode ser insensível quanto ao dever de resgatar uma alma desgarrada.

Lucas 15.3 – E ele lhes propôs esta parábola, dizendo: Lucas 15.4 – Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove e não vai após a perdida até que venha a achá-la?

Deus não quer que ninguém se perca e na sua longanimidade sempre aguarda o arrependimento de um pecador, tanto daquele que já pertence ao corpo de Cristo e se afastou, como também de todos que andam errantes e ainda não se converteram a Ele. Jesus através dessa parábola faz uma advertência quanto à insensibilidade por uma alma que se afasta da congregação dos santos, para que nenhum pastor deixe de se preocupar em resgatar essa alma. Na questão das cem ovelhas com uma se afastando do rebanho entende-se que algum pastor poderia não dar importância a que se afastou, e acaba se conformando com as noventa e nove e dizendo que uma não vai fazer falta. Jesus exige que haja sensibilidade com uma alma desgarrada e quer que se empregue todo o esforço no sentido de resgatá-la seguindo o Seu exemplo de amor pelas almas, pois Deus o enviou para buscar e salvar o que se havia perdido.

2. O pastor não deve regozijar porque resgatou a ovelha e sim porque ele ama a ovelha.

Lucas 15.5 – E, achando-a, a põe sobre seus ombros, cheio de júbilo; Lucas 15.6 – e, chegando à sua casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida.

Só quem tem um grande amor pelas almas é que se submete até a exaustão física, na sua busca para encontrar uma alma afastada, ou uma alma perdida. Nesse caso o motivo do regozijo não é simplesmente pelo fato de ter encontrado essa alma, mas pelo fato de nutrir amor pelas almas a qual estão sob o seu cuidado. Porém o motivo desse regozijo não é somente quando se traz de volta alguém que se desviou, como também mais ainda quando encontra uma alma perdida, ou seja, alguém que ainda não tinha Cristo como o Seu Salvador.

3. O pastor deve saber que seu esforço não é vão, pois uma alma resgatada alegra o céu.

Lucas 15.7 – Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento.

Algo que devemos nos conscientizar é que não estamos sós nessa empreitada e essa conscientização é de extrema importância em nossas responsabilidades para com as almas, pois ela é motivadora para nos empenharmos com mais afinco em nossa missão. Saber que todo o nosso esforço no sentido de resgatar almas é monitorado pelos que estão na dimensão espiritual é algo extraordinário, como também saber que o céu faz festa quando o resgate é bem sucedido.

4. O pastor deve saber o grande valor de uma alma e deve procurar até que a encontre.

Lucas 15.8 – Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligência até a achar?

O valor de uma alma é imensurável, pelo fato do preço que foi pago por Cristo na sua missão sacrifical, daí a necessidade de não medir esforços no sentido do resgate ordenado pelo Senhor. A busca com diligência significa uma busca cuidadosa e minuciosa sempre com ativa perseverança sem nunca desistir ou parar a busca. O varrer a casa significa a diversidade de meios para levar uma alma perdida para Deus, mas para encontrar essa alma absorvida numa escuridão tenebrosa, se faz necessário acender a candeia do Evangelho, para que o pecador possa enxergar a sua cegueira espiritual.

5. O pastor que se esforça até achar a alma perdida deve participar a todos o seu achado.

Lucas 15.9 – E, achando-a, convoca as amigas e vizinhas, dizendo: Alegrai-vos comigo, porque já achei a dracma perdida.

Todo esforço em procurar uma alma, por mais exaustivo que seja quase sempre será bem sucedido e quando isso acontece é motivo de grande alegria o fato de se ter encontrado e resgatado uma alma perdida trazendo-a de volta ao lugar certo e deixando-a fora de perigo. É como um filho que volta ao lar depois de muito tempo sem dar notícias e seus pais certamente irá compartilhar com todos os parentes, vizinhos e amigos a sua alegria.

6. O pastor deve saber que anjos estão com ele na sua busca e se alegram com seu êxito.

Lucas 15.10 – Assim vos digo que há alegria diante dos anjos de Deus por um pecador que se arrepende.

Assim como Deus se alegra quando um pecador se arrepende e essa alegria provoca uma grande festa nos céus, também anjos que acompanham os desbravadores das trevas que usam a luz do evangelho ficam extremamente alegres com os resultados daqueles que penosamente e ousadamente resgatam almas para o reino de Deus. Assim entende-se que o resgate e as conversões de pecadores é a alegria dos anjos, pois eles são espíritos ministradores que guardam e protegem aqueles que herdam a salvação. A alegria não é pelos noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento, mas sim por um pecador cheio de malignidade e perversidade onde uma grande batalha espiritual aconteceu para essa alma ser liberta das prisões do diabo. Quando isso acontece é uma grande vitória dentro do reino espiritual e toda vitória precisa ser comemorada.


Comentarista: Pastor Adilson Guilhermel
QUER AJUDAR ESTA OBRA? Então clique no botão abaixo e envie uma oferta

Contato 
l