Escola Dominical - Esboços da EBD


Pastor Adilson Guilhermel

Página Inicial     Agenda     Escola Dominical     Estudos Bíblicos   Contato

 

Escola Dominical - Esboços da EBD
Lições do 3º trimestre de 2018
Adoração, Santidade e Serviço
Os princípios de Deus para a sua Igreja em Levítico

 

A Função Social dos Sacerdotes

Lição 4 - 22 de Julho de 2018

Texto Áureo: Lucas 5.14 E ordenou-lhe que a ninguém o dissesse. Mas vai, disse, mostra-te ao sacerdote, e oferece pela tua purificação, o que Moisés determinou para que lhes sirva de testemunho.

Leitura Bíblica em Classe: Levítico 13.1-6

 

Introdução: A lepra é uma doença antiga, a qual contagiou milhares de pessoas através dos tempos, nos quais a maioria veio a óbito, pois se tratava de uma doença incurável. Em nossos tempos essa doença já tem cura e deixou de ser algo assustador como nos tempos antigos. Essa doença também simboliza o pecado no ser humano, pois ela corrompe o corpo compromete os nervos e tira a sensibilidade da pele fazendo com que o indivíduo contagiado corra o risco de se autodestruir sem perceber. Assim também o pecado corrompe o ser humano deixando-o totalmente insensível à sua própria destruição sem perceber. Assim como ocorre com a lepra, o pecado vai aos poucos levando o indivíduo a se degradar fisicamente e moralmente. Deus delegou funções específicas para evitar o contágio do povo pela lepra, responsabilizando a Arão o Sumo Sacerdote, como também aos seus filhos, que eram Sacerdotes, para que cuidassem dos casos de lepra entre o povo. A lepra em nossos dias tem cura, mas o pecado não tem e o antidoto capaz de removê-lo do coração humano, só Jesus tem com o seu toque curador pode remover milagrosamente os nossos pecados. (I João 1.7 Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado). Entendendo que a lepra é o símbolo do pecado, nós temos o Sumo Sacerdote Jesus Cristo e os seus Ministros para cuidar dos casos de pecado entre o povo, através da sã doutrina, pois essa doença que é o pecado, só tem cura através da verdadeira Palavra de Deus, a qual nos dá o ensinamento de como proceder para que ele não permaneça em nossa alma.

 

FUNÇÕES SOCIAIS DO SACERDOTE PARA LIDAR COM CASOS DE LEPRA.

 

1.  Diagnosticar os indivíduos com alterações suspeitas no seu corpo físico.

Levítico 13.1 FALOU mais o Senhor a Moisés e a Arão, dizendo: Levítico 13.2 Quando um homem tiver na pele da sua carne, inchação, ou pústula, ou mancha lustrosa, na pele de sua carne como praga da lepra, então será levado a Arão, o sacerdote, ou a um de seus filhos, os sacerdotes.

As leis divinas promulgadas no Sinai e neste caso, as leis cerimoniais que envolviam todo um ritual de culto ao Senhor, também focava a condição do indivíduo quanto ao seu estado de saúde no sentido de possível contágio por lepra. Sendo a lepra incurável naqueles tempos e pior, ela era uma praga que podia se alastrar e infectar outras pessoas, então Deus ordenou todo um cuidado quanto a isso, e responsabilizou Moisés e Arão, como também os seus filhos, os quais também eram sacerdotes, para tratarem desses possíveis casos de lepra, com muito rigor no sentido de evitar um contágio geral nas tribos. (Gálatas 5.9 Um pouco de fermento leveda toda a massa).

2. Examinar as pragas em alguns do povo que podiam ter trazido do Egito.

Levítico 13.3 E o sacerdote examinará a praga na pele da carne; se o pêlo na praga se tornou branco, e a praga parecer mais profunda do que a pele da sua carne, é praga de lepra; o sacerdote o examinará, e o declarará por imundo.

Era função social de o sacerdote fazer um exame clínico em todos os casos suspeitos de contaminação das pragas contraídas no Egito. Esse exame era de suma importância para que essas pragas não viessem a se alastrar no meio do arraial e contaminar aqueles que estavam sadios. É lógico que para esse exame fosse efetuado com presteza, o sacerdote tinha que ser necessariamente habilitado para essa incumbência, pois se não fosse, o povo sadio poderia sofrer sérias consequências, no que se refere a contaminação, a qual poderia se alastrar perigosamente em todo o povo. (Jeremias 3:15 E dar-vos-ei pastores segundo o meu coração, os quais vos apascentarão com ciência e com inteligência).   

3. Separar todo caso suspeito, para constatar ou não o possível contágio.

Levítico 13.4 Mas, se a mancha na pele de sua carne for branca, e não parecer mais profunda do que a pele, e o pêlo não se tornou branco, então o sacerdote encerrará o que tem a praga por sete dias;

Nenhum caso suspeito poderia passar em branco, pois isso envolvia em caso de negligência colocar em risco de contaminação, todas as tribos de Israel. Essas pragas, principalmente a lepra eram doenças incuráveis naqueles tempos, então o sacerdote não podia fazer melhor, sob as circunstâncias curando enfermidade ou trazendo qualquer alívio ao enfermo. O seu trabalho social se assemelhava mais inspetor de saúde, com a missão de examinar o indivíduo suspeito e isolá-lo em casos de contágio, para preservar a comunidade inteira. No sentido espiritual, toda essa incapacidade do homem contagiado por essas pragas, a qual é definida como pecado só pode ser eliminado através de Cristo. (I Pedro 1.18 Pois vocês sabem que não foi por meio de coisas perecíveis como prata ou ouro que vocês foram redimidos da sua maneira vazia de viver, transmitida por seus antepassados, 19 mas pelo precioso sangue de Cristo, como de um cordeiro sem mancha e sem defeito,).

4. Acompanhar por precaução o caso suspeito e mantê-lo em observação.

Levítico 13.5 E ao sétimo dia o sacerdote o examinará; e eis que, se a praga, ao seu parecer parou, e na pele não se estendeu, então o sacerdote o encerrará por outros sete dias;

Nessa questão por se tratar de algo de extrema gravidade, a liberação do suspeito de contágio pelo sacerdote, não poderia ser precipitada. Mesmo quando o indivíduo aparentava estar curado deveria haver prudência em no seu diagnóstico pelo sacerdote  e nesse caso fazia-se necessário o prolongamento da quarentena para dirimir qualquer dúvida a respeito. Como todas essas pragas trazendo para o sentido espiritual simbolizam o pecado que contagia o homem devemos entender que não se trata de algo superficial que possa ser resolvido com simples remédios. O pecado é algo interiorizado no interior do homem dentro da sua natureza decaída, e enquanto ele permanece assim, nada pode ser resolvido a não ser que o seu coração seja transformado por Jesus Cristo. (21 Pois do interior do coração dos homens vêm os maus pensamentos, as imoralidades sexuais, os roubos, os homicídios, os adultérios, 22 as cobiças, as maldades, o engano, a devassidão, a inveja, a calúnia, a arrogância e a insensatez. 23 Todos esses males vêm de dentro e tornam o homem impuro").

5. Declarar após exame apurado se o indivíduo estava ou não contaminado.

Levítico 13.6 E o sacerdote ao sétimo dia o examinará outra vez; e eis que, se a praga se recolheu, e na pele não se estendeu, então o sacerdote o declarará por limpo; é uma pústula; e lavará as suas vestes, e será limpo.

Após um exame mais apurado o indivíduo com caso suspeito de contaminação poderia ser declarado limpo ou imundo. Isso, dada às condições da pele que de acordo com a cor ou extensão indicaria se estava curado, ou não. No caso da suspeita de lepra ser confirmada, então o sacerdote o declararia imundo e o indivíduo deveria ficar em um lugar fora do arraial, para não contaminar os outros. Assim como a lepra que começando com uma ferida que vai se alastrando e produzindo nódulos e úlceras, também assim é o pecado, que começa no indivíduo, e se não for contido, ele se espalhará contaminando toda alma. Tiago 1.15 Então, a cobiça, depois de haver concebido, dá à luz o pecado; e o pecado, uma vez consumado, gera a morte.

 


Comentarista: Pastor Adilson Guilhermel
QUER AJUDAR ESTA OBRA? Então use uma das contas abaixo e envie uma oferta
Caixa Econômica Federal - Agência 1613 - Conta Corrente 942-7 Banco Itaú - Agência 9184 - Conta corrente 05524-3

Fale com o pastor: [email protected]
l