Escola Dominical - Esboços da EBD


Pastor Adilson Guilhermel

Página Inicial     Agenda     Escola Dominical     Estudos Bíblicos   Contato

 

Escola Dominical - Esboços da EBD
Lições do 2º trimestre de 2018
Valores Cristãos: Enfrentando as questões morais de nosso tempo

 

 

ÉTICA CRISTÃ E DOAÇÃO DE ÓRGÃOS

Lição 7 - 13 de Maio de 2018

Texto Áureo: “Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.” (1 Jo 3.16)

Leitura Bíblica em Classe: 1 Coríntios 15.35-45

 

Introdução: A doação de órgãos é um ato de consciência e amor ao próximo. Porém nem todos tem essa conscientização sobre esse assunto tão importante para milhares de vidas que aguardam esse gesto de amor vindo de alguém. No meio evangélico por pura ignorância esse assunto nem é comentado. Porém a bíblia não condena essa prática, pois ela está respaldada como um gesto nobre de amor ao próximo, evidentemente que só pode ser realizada no meio evangélico, ou seja, entre os salvos em Cristo. A questão da doação de órgãos envolve tanto em vida como na morte. Em vida é possível a doação de órgãos como, rim, medula óssea, pâncreas, fígado e pulmão e em morte é possível doar, pulmão, pâncreas, vasos sanguíneos, intestino, pele, coração, córneas, medula óssea, fígado, rins, tendões e outros mais. As autoridades pedem que pessoas em vida assinem um documento como doador após a morte e isso na realidade afugenta muitas pessoas que se preocupam em fazer uma doação documentada, mesmo porque, nesse país de corruptos que vivemos, eu também não acho conveniente. O que deve haver é uma conscientização maior a esse respeito e que as pessoas deixem a sua vontade manifesta a família, a qual terá direito a autorizar, ou não a doação.

I – DOAÇÃO DE ÓRGÃOS NO SEU CONCEITO BÍBLICO GERAL

1. O transplante de órgãos é ético? Sim é ético, porém existem restrições.

Jeremias 1.15 Antes que te formasse no ventre te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.

Existem somente duas condições para a doação de órgãos dentro daquilo que não há restrições bíblicas para tal. Uma é em vida, quando existe a possibilidade de retirar um dos órgãos para ser transplantado em outra pessoa, desde que a extração desse órgão não implique em risco de vida para quem estiver doando. A outra condição é após a morte, desde que a pessoa deixe um documento autorizando a retirada dos seus órgãos para serem doados e transplantados em outra pessoa, ou manifeste o seu desejo de doar em morte, à família. Pela bíblia seria um grave pecado usar células-tronco embrionárias, pois essa prática interrompe a vida do embrião e isso seria um assassinato. Isso porque no momento da concepção da vida física, tanto por métodos físicos, ou manipulados, é gerado um espírito pelo Pai dos Espíritos que é Deus. Assim quem pratica esse tipo de manipulação genética está fazendo algo abominável diante de Deus.

 2. Todo crente deve saber do conceito bíblico na questão sobre doação.

Marcos 12.43  E, chamando os seus discípulos, disse-lhes: Em verdade vos digo que esta pobre viúva deitou mais do que todos os que deitaram na arca do tesouro; 44  Porque todos ali deitaram do que lhes sobejava, mas esta, da sua pobreza, deitou tudo o que tinha, todo o seu sustento.

A bíblia demonstra que Deus vê com bons olhos a questão sobre doação, não somente em situações envolvendo a doação de órgãos, mas também em outras coisas que envolvem benefícios dentro do Seu reino. Podemos destacar o elogio feito por Jesus na atitude a pobre viúva que ofertou suas duas únicas moedinhas depositando na arca do tesouro, contrastando com os que ofertavam somente daquilo que sobejava. A questão da doação não será louvável diante do Senhor, se ela evolve a superficialidade, mas sim a nossa deficiência, não pode ser aquilo que não sentiremos falta, mas sim aquela que venha nos custar um verdadeiro sacrifício. Não é segundo as nossas posses, mas acima das nossas posses, quando é doado voluntariamente. Como disse Jesus: mais bem-aventurada coisa é dar do que receber. Deus deu a maior dádiva ao mundo, e qual foi essa maior dádiva? Foi o Seu próprio Filho em sacrifício.

3. Doar a si mesmo é um ato de amor, pois todos nós somos filhos de Deus.

Salmos 116.12 Que darei eu ao Senhor, por todos os benefícios que me tem feito?

Fazendo uma reflexão mais aprofundada podemos compreender que não há benefício alcançado de Deus, que não venhamos a nos tornar devedores. Sendo assim é preciso um olhar introspectivo para vermos que nada temos a oferecer a Deus como compensação suficiente em retribuição por seus benefícios, mesmo sendo um órgão do nosso corpo em favor de outrem. Por isso todos os benefícios divinos devem ser vistos e enumerados com toda seriedade estimando sempre o seu devido valor e lembrarmos sempre deles com profunda gratidão ao Senhor Deus. A liberalidade divina para conosco é digna de todo louvor, pois Ele não espera recompensa de nossa parte, mas o nosso esforço em tentar retribuir os seus benefícios apresentando obras consistentes, já é louvável diante dele.

II - EXEMPLOS QUE ENVOLVEM ALGUNS TIPOS DE DOAÇÃO NA BÍBLIA

1. Os gálatas a princípio demonstraram uma liberalidade digna de louvor.

Gl 4.15  Qual é, logo, a vossa bem-aventurança? Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os vossos olhos, e mos daríeis.

O apóstolo Paulo quando visitou os gálatas, certamente estava com uma doença um tanto repulsiva, a qual lhe havia afetado os olhos, porém apesar da condição que se encontrava ele foi bem recebido. Isso mostra que os servos de Deus não devem medir as pessoas pela sua aparência exterior, mas sim como representantes do Senhor, pois são seus mensageiros de boas novas. Porém com o passar dos tempos, os gálatas influenciados pelos judaizantes, haviam se inclinado para o judaísmo e alguns deixados a fé cristã. Não foram os judaizantes que inicialmente a sua fé no legalismo aos gálatas, mas sim Paulo que levou o evangelho a eles, e agora davam as costas ao apóstolo e seguiam os falsos mestres. Assim Paulo os exorta a voltarem aos princípios da fé verdadeira em Cristo, na qual ele diz que era tão forte, que se possível doariam os seus olhos ao apóstolo. Pessoas que demonstram uma voluntariedade elogiável no sentido de doação, mas depois retrocedem é algo extremamente indigno e sem ética.  

2. O desprendimento de Paulo não se refreou diante da ingratidão sofrida.

2 Coríntios 12.15  Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado.

Sofrer ingratidão, principalmente entre irmãos de fé é algo realmente decepcionante. O apóstolo Paulo havia se sacrificado muito pela congregação de coríntios, no entanto eles não estavam muito dispostos a retribuir os esforços desprendidos a favor deles. Quando nos esforçamos por alguém, o mínimo que esperamos é o reconhecimento do nosso esforço. Paulo sempre se dispôs a se gastar e se deixar gastar a fim de ajudar a igreja não medindo esforços para tal prática. É triste quando alguém não aprecia o que fazemos por esse alguém, ou seja, os filhos de Deus não dão o devido valor ao que o seu pastor faz por eles.

3. A doação suprema de Cristo envolve a maior prova de amor pelo pecador.

Romanos 5.8 Mas Deus prova o seu amor para conosco, em que Cristo morreu por nós, sendo nós ainda pecadores.

Deus deu a maior prova de amor que é insuperável, pois envolveu enviar o seu Filho unigênito para morrer por nós sendo ainda pecadores. Agora como filhos e somos mais amados por Ele. É esse amor incondicional de Deus que nos ajuda a enfrentar as adversidades da vida e superarmos todas as tribulações que tivermos que passar. (Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades; o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados. Isaías 53:5).

III - DOAR ÓRGÃOS É UM ATO DE AMOR, POIS É DOAR PARTE DE NÓS.

1. O princípio da empatia e da solidariedade é colocar-se em lugar de outro.

Mateus 7.12  Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós, porque esta é a lei e os profetas.

Jesus deixou uma regra que é um princípio que deve governar todas as nossas ações em relação às outras pessoas. Essa regra deve ser aplicada em todas as áreas da nossa vida, pois quem pratica essa regra não pratica nada que prejudique a si mesmo, como também não faz nada que venha prejudicar outras pessoas. Nossa vida deve ser governada por esse princípio, pois se a contrariarmos estaremos expondo uma condição totalmente repreensível e não condizente com a vida cristã. Se praticarmos boas ações em favor de outras pessoas podemos contar com o fluir do amor divino, que é um fator capacitador para que a levemos adiante em qualquer situação que tivermos que enfrentar. Devemos seguir um principio em relação aos outros da mesma forma como gostaríamos que agissem conosco. (Então clamarás, e o Senhor te responderá; gritarás, e ele dirá: Eis-me aqui. Se tirares do meio de ti o jugo, o estender do dedo, e o falar iniquamente; Isaías 58:9).

2. O princípio do verdadeiro amor não é ficar só em palavras, mas em ação.

1 João 3.16  Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos.

O amor de Cristo ilustra explicitamente o que significa o verdadeiro amor, pois Ele mostrou isso dando a sua vida por nós e da nossa parte devemos dar mais de nós, para a glória de Deus, para o bem da Igreja, ou para a necessidade de um irmão. Dar a nossa vida em favor de um irmão significa dar nosso tempo, cuidado, trabalho, orações, provisões e muito mais. Prova de amor não é só deixar de fazer o mal a outras pessoas, pois ela envolve a prática do bem de uma forma voluntariosa. O amor cristão envolve entre outras coisas uma vida de serviço e sacrifício em prol do nosso próximo. Tem aqueles que amam só de boca, porém quem agem assim está expressando um amor falso, pois o amor verdadeiro exige obras genuínas, o que é a prova de uma vida espiritual autêntica. O verdadeiro amor é sofredor, pois se preocupa com a necessidade do outro, e estará disposto a todo sacrificio que for necessário para suprir a dificuldade alheia. (O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. 1 Coríntios 13:4).

 


Comentarista: Pastor Adilson Guilhermel
QUER AJUDAR ESTA OBRA? Então use uma das contas abaixo e envie uma oferta
Caixa Econômica Federal - Agência 1613 - Conta Corrente 942-7 Banco Itaú - Agência 9184 - Conta corrente 05524-3

Fale com o pastor: [email protected]
l